Don’t believe the hype

O site da NBA faz uma pesquisa de opinião anual (edit: aqui com os resultados de 2016/2017) com os General Managers das 30 equipes da NBA. A ideia é sondar quem eles acham que vai ganhar o título, quem vai ser MVP, qual foi a melhor troca da offseason e etc. Além destas perguntas, o questionário também pergunta qual calouro será o melhor jogador da liga em cinco temporadas, qual atleta vai ter o ‘breakout year’, qual troca vai dar mais certo. Um prato cheio para as gafes.

A classe dos cartolas do basquete americano não é muito superior a dos dirigentes do futebol brasileiro, então é natural que eles errem brutalmente boa parte das previsões. Isso é normal, até porque existem fatores imponderáveis que mudam o curso natural das coisas. No entanto, uma boa parte dos palpites errados escancara o quanto dirigentes, imprensa e fãs são entorpecidos pelo hype. Aquele jogador que tem tudo para decolar, aquele time que acabou de ser montado… É sempre muito fascinante acreditar nestas modinhas. No entanto, é implacável olhar para trás e ver como é ingênuo fazer determinadas apostas.

Por isso, mais a fundo, acho que olhar para as pesquisas antigas e ver o quantidade brutal de erros serve como um exercício de auto-controle para não se deixar seduzir por alguns exageros.

A primeira pesquisa mais elaborada foi a de 2008/2009. Naquele ano, os GMs acertaram que o Lakers seria o campeão, mas acharam, entre as maiores bizarrices, que Michael Beasley, Greg Oden, Derrick Rose e Antonhy Randolph, seriam, nesta ordem, os melhores da liga em cinco anos entre os calouros daquela temporada. Melhores que Westbrook, que Kevin Love. Hoje, três deles não tem mais espaço na NBA e Rose já pinta como um dos maiores busts da história – enquanto Westbook e Love já têm quarto e três All Star Games, respectivamente, no currículo.

Flagra do auge da carreira de Anthony Randolph

Flagra do auge da carreira de Anthony Randolph

No ano seguinte, fora Blake Griffin, que se machucou antes do início da temporada e adiou sua estréia na liga, Jonny Flynn era o mais votado para receber o prêmio de Calouro do Ano – na frente do atual MVP Stephen Curry, de James Harden e do eleito naquele ano como melhor rookye, Tyreke Evans. O palpite foi tão bom que Flynn não pisa em uma quadra da NBA há três anos.

Na mesma pesquisa, o Washington Wizards foi eleito como o time que teria a maior evolução no ano – e realmente evoluiu de uma campanha medonha (19v e 63d) para uma campanha sofrível (26v e 56d). No ano seguinte, ainda tinha gente achando que Javale McGee e Darren Collison iam estourar como craques na liga. Enfim, coisas que na época já pintavam como exageros, mas que hoje parecem mentiras absurdas.

Claro que analisar com o filtro do tempo é bem cretino, mas serve de lição: hype não entra em quadra e não mete bolas. Hype, na melhor das hipóteses, gera piada.

DeShawn Stevenson (7 pontos por jogo) x Michael Jordan (30 pontos por jogo) : comparação justa

DeShawn Stevenson (7 pontos por jogo) x Michael Jordan (30 pontos por jogo) : comparação justa

CompartilheShare on Facebook59Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn2Email this to someone

Previous

O maior motorista do Uber – literalmente

Next

Marcelinho Huertas não vai ser o novo Steve Nash

1 Comment

  1. Leitor

    Nunca que um mvp pode ser considerado bust e ainda mais um dos maiores

Leave a Reply

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén