Entendo que pode ser chato para algumas pessoas. Entendo, também, que se você é um cara milionário, deve ser frustrante querer um dia mudar o visual e não ter muitas opções. Mas obviamente que usar aquele spray que PINTA A PELE IMITANDO CABELO seria a pior das ideias possíveis.

Há uns três anos, o ala-pivô Carlos Boozer apareceu no jogo com a careca pintada e, OBVIO E ACERTADAMENTE, foi absolutamente execrado por isso. O mais estranho é que Boozer sempre jogou com a cabeça raspada. As pessoas sequer sabiam que ele era careca até aparecer com a graxa de sapato na moleira.

Ficou bem natural

Ficou bem natural

Esta semana, ele veio a público contar o que aconteceu. Segundo Boozer, um camarada sabia que que Boozer estava afim de deixar o cabelo crescer, mas estava triste com algumas entradas que denunciavam a calvíce. Para solucionar o caso, o muy amigo recomendou um spray que completava os espaços carecas entre os cabelos. O jogador experimentou e viu que o resultado não era, digamos, muito natural. “Até tentei lavar a cabeça umas sete ou oito vezes, mas não conseguia tirar a tinta”. Esforço em vão: Boozer teve que entrar em quadra daquele jeito.

Boozer não está sozinho nessa. Vários jogadores viraram piada por tentar algumas artimanhas para disfarçar a careca. O mais famoso deles é Lebron James. Quando entrou na liga, ainda adolescente, Lebron já tinha uma leve entrada na testa, disfarçada pela faixinha na cabeça. Acontece que o hairline foi subindo e a faixa também – até o dia que subiu demais a ponto de todos notarem.

A técnica é manjada, na verdade – eu até duvido que ps jogadores usem a faixinha para o seu propósito básico de impedir que o suor escorra na cara. Richard Hamilton, Joel Anthony e uma série de outros atletas tentaram esconder o ‘crescimento da testa’ com o acessório.

Outros tentaram, por algum tempo, métodos diferentes e mais comuns, como o estilo do careca-cabeludo Chris Kaman. Até que raspasse a cabeça pela primeira vez, todos ainda acreditavam que Kaman tinha cachos volumosos e imponentes. Depois, ficou claro os espaços vazios eram mais frequentes do que se imaginava debaixo daqueles caracóis.

Apesar dos FAILS, a NBA é um ambiente simpático aos carecas. Além de existirem alguns calvos convictos, como Manu Ginóbili, por exemplo, o visual da cabeça raspada a lá bola de bilhar não deve sair de moda tão cedo.

CompartilheShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone