O Brooklyn Nets tinha que ser uma franquia vitoriosa. O time tinha mudado de endereço, cores e tudo mais em busca de um título. Nada mais lógico do que ir atrás de uma dupla talentosa e vitoriosa. Foi então que o Nets despachou uma meia dúzia de escolhas futuras do draft e alguns contratos ruins para Boston em troca dos veteranos Kevin Garnett e Paul Pierce. Nets montava um time cascudo para a temporada, enquanto o Boston abria mão de qualquer pretensão para os anos seguintes.

Três anos se passaram e hoje nós podemos garantir que o time nova-iorquino fracassou na tentativa do título, enquanto o Celtics conduz uma das reconstruções de elenco mais eficientes dos últimos tempos.

Diferente do que acontece geralmente, o Celtics não chegou a ficar muitas temporadas agonizando com um time medíocre enquanto esperava que a sorte o presenteasse com uma excelente escolha de draft. Quando abriu mão dos seus veteranos, o time até poderia estar pensando nisso: pegou quatro escolhas de primeiro round, na esperança de um dia escolher um craque. No entanto, o time só foi realmente mal por uma temporada. No ano passado e neste, já mostrou ter time para se classificar para os playoffs.

marcus-smart-brad-stevens-nba-houston-rockets-boston-celtics1-850x560

O armador Marcus Smart e o técnico Brad Stevens: futuro da franquia

Bom, a verdade é que o Boston começou bem seu rebuild quando contratou o talentoso Brad Stevens da universidade de Butler. O jovem head coach consegue fazer com que cada jogador evolua ao máximo do seu potencial. Transformou Avery Bradley em um defensor de elite no perímetro, treinou um ataque rápido para fazer de Isaiah Thomas um pontuador implacável e desenhou um time que pudesse tirar proveito de uma série de bons chutadores de fora que a equipe tem à disposição, como os big men Jared Sullinger e Kelly Olynik.

Paralelamente, a franquia conseguiu reunir uma série de jogadores médios com características complementares, formando um conjunto bacana – num espírito parecido com o do Spurs, que pega uma série de jogadores renegados e os transforma em úteis na rotação.

Ano passado o Boston já teve uma campanha vitoriosa, se classificando para os playoffs (mesmo sem qualquer chance de avançar na pós-temporada). Neste ano, o time já caminha para incomodar as principais forças do leste, com uma boa evolução de Marcus Smart e companhia.

O que falta para o Boston subir de degrau é star power. Precisa do mesmo que o Brooklyn Nets buscava quando trocou várias escolhas de draft pelas estrelas do Celtics. Com a campanha medonha do Nets, é certo que o Celtics terá uma excelente oportunidade de pegar um calouro talentoso no draft.Se não pegar neste ano, pode pegar mais para frente – o time verde tem o direito de pegar as primeiras escolhas dos próximos três anos do Nets.

São três anos com boas chances de garimpar talentos vindos da universidade. Escolher a dedo quem se alinha com o elenco já montado. Ou, caso seja necessário, as escolhas dão poder de barganha para que a franquia faça uma troca por um craque já renomado.

No draft deste ano, o Celtics até ofereceu uma boa parte das suas escolhas pelo ala Justise Winslow, que acabou sendo escolhido pelo Miami Heat. A equipe de Brad Stevens apostava no jovem para mudar de patamar em alguns anos, mas a equipe da Florida rejeitou a proposta.

Seja como for – com uma escolha de draft ou trocando por alguma estrela já consagrada -, o Boston tem dados sinais de que vai fazer a melhor escolha possível e logo vai conseguir se tornar um dos grandes times da liga novamente. Em boa parte, graças ao Nets.

CompartilheShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone