Todo mundo faz merda: a mão quebrada de Blake Griffin

Antes de mais nada, não estou aqui fazendo defesa de ninguém. O texto abaixo é uma ponderação apenas. Melhor: uma lembrança de que ano vai, ano vem, este tipo de coisa vai continuar acontecendo e o maior prejudicado é o próprio cabaço que comete o erro.

Saiu hoje a notícia: Blake Griffin, que já estava há um bom tempo deixado de lado por uma lesão na coxa, ficará mais uma semanas de molho por causa de uma mão quebrada. Num primeiro momento, a notícia saiu sem mais detalhes, o que já fez com que todo mundo suspeitasse que alguma merda tinha acontecido. Dito e feito. Horas mais tarde saiu a confirmação que Blake fraturou a mão ao dar um soco num funcionário do Clippers em uma treta que aconteceu em um restaurante em Toronto.

Segundo uma série de insiders do time, Griffin quebrou a mão ao socar ‘multiplas vezes’ o funcionário, que trabalha com a logística dos equipamentos do time. Com a lesão, Blake deve ficar de quatro a seis semanas sem jogar.

Esta, claro, não é uma lesão qualquer. Foi fruto de uma imprudência gigantesca e de uma falta de profissionalismo absurda. No entanto, acredite, este tipo de caso é muito comum.

Só para ficar em casos recentes de mãos quebradas, que já é um critério bem específico, temos o caso de Carlos Boozer que, dias antes de começar a temporada, estava bem de boa em casa e ouviu a campainha tocando. Era madrugada ainda, disse ele, por volta das 5h da manhã. Ao levantar no escuro, Boozer tropeçou na sua mala que estava no caminho, no chão do quarto, e caiu sobre a mão. Ridículo.

O pior deste tipo de lesão é que ninguém nunca vai acreditar na história e sempre vai ficar parecendo que o jogador agiu da maneira mais imbecil possível. Outro caso foi o de Rajon Rondo, que disse que caiu no chuveiro e também fraturou a mão, em 2014. Na coletiva, o principal boato era de que ele tinha ido a um parque de camas elásticas e, numa das acrobacias, caiu e machucou a mão. Ele negou e insistiu que foi fruto de um escorregão dentro do box – o que abriu margem para piadas sobre uma lesão causada após uma sessão de BANHETA. Seja lá o que aconteceu, foi algo estúpido.

e829e165e53f4c5e9d8a755ece70a781-e829e165e53f4c5e9d8a755ece70a781-0

Brincando na cama elástica ou ‘sozinho no chuveiro’: lesão estúpida de Rondo

Voltando um pouco mais no tempo, uma vez o ala Latrell Spreewell também quebrou sua mão numa pancadaria. Ele estava dando uma festa no seu iate e um dos convidados se empolgou, bebeu demais e gorfou no piso de carvalho envelhecido ao invés de vomitar no mar aberto. Enfurecido com a falta de classe do amigo bêbado, Spreewell partiu pra cima do cara. O que ele não esperava é que o camarada ainda tivesse algum reflexo – o suficiente para desviar do golpe de Latrell, que socou a parede do barco e quebrou a mão. A festinha no iate milionário rendeu ao jogador alguns jogos lesionado e uma multa de 250 mil dólares aplicada pelo Knicks.

Deixando de lado as mãos quebras e falando sobre as maiores imprudências da história, podemos lembrar a primeira das inúmeras lesões de Derrick Rose. Quando ainda era calouro, o jogador perdeu alguns jogos em função de um corte no braço. A história: Rose estava de boa comendo uma maçã em sua cama. Ao invés de morder a dita cuja, ele cortava alguns pedaços e comia lentamente as fatias da fruta. Tava tão de boa que cochilou, virou de lado e ROLOU NA CAMA SOBRE A FACA. O resultado foi um corte e dez pontos no braço. Gênio.

Charles Barkley teve uma lendária também. DIZ ELE que estava em um show do Eric Clapton e, em determinado momento, não se sabe como e nem porque, passou uma loção para o corpo nos seus próprios olhos (???). Imediatamente o creme passou a arder e queimar parte da córnea do atleta, que ficou um bom tempo de fora das quadras se recuperando.

Enfim, as histórias são infinitas e Blake é só mais um protagonista desta SÉRIE DE TRAPALHADAS. No final das contas, nem vale a pena o massacre público. O próprio já está pagando por isso com um bom tempo afastado das quadras e uma eternidade de piadas ao seu respeito.

CompartilheShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone

Previous

Nem Kawhi consegue parar Curry

Next

Reservas do All Star Game – quem merece estar por lá

1 Comment

  1. Eduardo

    O Amaré aquela vez q deu uma porrada no vidro do extintor de incêndio e TB se cortou… E já era playoffs.

Leave a Reply

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén