Ser calouro é um porre

Deve ser um saco ser calouro da NBA. Digo, ser escolhido no draft, assinar um contrato milionário, jogar na melhor liga de basquete do mundo com certeza é algo fenomenal, mas infelizmente para eles, a vide de um jogador novato na liga não se resume a isso: existem algumas contrapartidas que fazem a vida do calouro um porre.

Aqui eu vou me concentrar em uma delas apenas – excluindo aquele negócio de trote ou aquela tradição de que o calouro tem que carregar todas as malas da delegação nas viagens do time – que acho que boa parte das pessoas não conhece: o Programa de Transição do Calouro.

A ladainha começa logo nos primeiros meses como profissional. Logo depois que os caras assinam com seus respectivos times, a NBA agenda uma semana de ‘integração’ entre os calouros. Geralmente acontece lá por agosto, quando todo mundo já tem noção de quem serão os jogadores aproveitados para a temporada. É uma incursão de quatro dias, com 12 horas de atividades, dinâmicas de grupos e palestras por dia.

Basicamente são quatro dias em que a NBA faz uma lavagem cerebral de como os caras devem se vestir, como devem administrar sua grana, que cuidados devem tomar, como é o comportamento indicado fora das quadras e etc.

Se olhando só a programação assim já parece algo bem monótono, a coisa fica ainda pior quando o conteúdo é destrinchado. Ano retrasado uma repórter do Denver Post acompanhou dois dias de atividades e contou algumas pérolas faladas no programa de integração. Coisas do tipo “você deve ter um terno preto e outro cinza”, “seu cabelo deve estar sempre limpo”, “hidratação vai te ajudar a ter uma boa aparência” e outras máximas que menosprezam totalmente a inteligência dos calouros que estão por lá.

Para os mais acanhados, a coisa pode ser ainda mais constrangedora. Um processo judicial tornou público em abril que pelo menos até 2006 algumas fotos, digamos, intimidadoras eram usadas para orientar os calouros sobre com quem eles deveriam se ‘envolver’ fora das quadras. Na apresentação usada pela liga aos novatos havia uma foto de uma mulher obesa nua esmagando um cara em uma cama com a frase “Razão para não ficar bêbado”. Outra imagem da mesma apresentação mostrava três mulheres com o rosto de Osama Bin Laden (ahn?).

untitled_extract_pages-1

hhhh

Eu até entendo a boa intenção de algumas atitudes – apesar do mau gosto – de orientar os caras sobre o assédio brutal que vão receber ao longo do ano, mas não sou muito chegado neste negócio da liga querer doutrinar a molecada de como ela deve pensar, agir, se vestir e quem eles podem comer.

No final das contas, imagino, eles só querem chegar, jogar e virar alguém na NBA. E, na boa, não é uma falação insuportável destas que vai evitar que eles façam umas merdas de vem em quando, não?

CompartilheShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone

Previous

Mesmo favorita, a seleção americana para as Olimpíadas não me empolga

Next

Para onde Durant vai? NÃO é pra Washington

1 Comment

  1. Italo

    Será q isso td foi por causa do Iverson ?

Leave a Reply

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén