Month: August 2016 (Page 1 of 3)

Nada mais que mercado

O ala-pivô chinês Yi Jianlian assinou com o Los Angeles Lakers por uma temporada. Dependendo do número de partidas jogadas, o salário anual do jogador pode chegar a 8 milhões de dólares – mais do que Andrew Wiggins, melhor calouro da temporada retrasada, e Isaiah Thomas, armador do Boston Celtics selecionado para o último All Star Game. Será o quarto jogador mais bem pago do time na temporada. Tudo isso para esquentar o banco, já que Julius Randle, Timofey Mozgov, Luol Deng e até Larry Nance Jr devem estar na sua frente na rotação.

Ainda que Jianlian não seja um inútil completo, seu passado já nos provou que ele não tem cacife para a NBA. Em cinco temporadas, de 2007 a 2012, beirou os 8 pontos e 5 rebotes de média. Se despediu da liga, na sua última temporada, fazendo pouco mais de 2 pontos por partida e jogando cerca de seis minutos por jogo – médias de alguém que é completamente dispensável.

Desde então, jogou o campeonato chinês. Lá foi MVP, o que na verdade só comprova sua condição de grande refugo da NBA, já que a liga da China é o maior reduto de jogadores que não deram certo nos EUA mais ainda preservam alguma grife no sobrenome que estampam nas camisas.

A sua volta basquetebolisticamente injustificada à liga se dá apenas por um fator: mercado. Tanto de jogadores, contratos e etc como de camisas, transmissões de televisão e tudo mais. Sua presença no elenco angelino é por puro business.

Para começar, exceto por Yao Ming, boa parte dos times da NBA só assinaram com jogadores de origem chinesa, sejam americanos ou de lá mesmo, por causa disso. É um estigma que os futuros bons jogadores ocidentais ainda precisam vencer. A própria história do draft de Yi, em 2007, é um exemplo disso.

Na época, somente as duas primeiras escolhas já estavam definidas semanas antes do draft. Fora Greg Oden e Kevin Durant, tudo podia acontecer e Jianlian estava cotado em qualquer posição da terceira até a décima pick. Nas conversas que antecediam as escolhas, seu agente só fez uma ressalva: que não fosse escolhido pelo Bucks, já que Milwaukee não tinha uma comunidade asiática relevante. As preferências eram Boston e Sacramento, que abrigam duas das dez maiores concentrações de asiáticos nos EUA (estes critérios, por si só, já mostram que o próprio agente do jogador estava pouco se lixando para o jogo, só pensando no caráter comercial da coisa toda).

Como o destino é quase sempre lazarento, ele acabou sendo escolhido pelo Bucks mesmo – o GM do time, seduzido pelo fenômeno Yao Ming, resolveu apostar em Yi. Ainda que na cidade não fizesse lá muito sucesso, as transmissões das partidas do time para a China tinham audiência média de 100 milhões de pessoas – metade do Brasil, para se ter uma ideia.

E tem sido a mesma coisa, em proporções diferentes, com Jeremy Lin. Descendente de taiwaneses, foi rejeitado no draft, mas assinou com o Golden State Warriors para ver se a comunidade asiática de São Francisco – maior dos EUA – poderia largar mão do baseball para dar atenção ao time de basquete da região. A diferença é que Lin deu certo (?) em determinado momento da carreira, mas, no fundo, os times querem mesmo é capitalizar com estes caras.

Neste aspecto, a estratégia do Lakers não é de todo mal. Com a aposentadoria de Kobe Bryant, a franquia mais popular do mundo ao lado do Chicago Bulls precisava de alguém para chamar a atenção do público que não é ‘consumidor usual de basquete’ – e tentar abocanhar parte da idolatria que Kobe desperta no público chinês. De olho num mercado onde tudo é elevado à última potência, é uma boa ideia ter um representante da China no time.

Kobe Bryant

Em 2012, Kobe foi considerado o atleta mais popular da história da China – sendo que nem é de lá.

O próprio contrato do jogador, de 8 milhões de dólares, não é um abacaxi. Ainda que maiores do que no ano passado, as pretensões do Lakers para este ano são pequenas. Vale a pena, então, assinar com um cara que não vai comprometer a folha salarial na temporada seguinte, quando o Lakers terá mais de 20 milhões novamente para tentar seduzir alguém no mercado, e ainda abre a possibilidade de despachar Jianlian no meio da temporada para um time que busque um contrato prestes a expirar – franquias que estão afogadas em salários altos buscam contratos de jogadores no último ano para tentar liberar espaço na folha de pagamentos.

No final das contas, são só negócios.

NBA2k17 divulga top4 de cada posição

O NBA2k17, versão da próxima temporada do jogo de videogame de basquete mais popular do mundo, divulgou os quatro melhores jogadores de cada posição. Mesmo que sem uma ordem definida e sem o rating de cada atleta, já dá para saber quem serão os jogadores mais dominantes de cada posição.

Dá uma olhada:

pgsgsfpfC

Não chega a ser algo muito revelador ou fora do previsto. Salvo uma ou outra opinião, os jogadores estão bem próximos de um consenso – levando em conta o que jogaram ano passado e o que se espera deles na temporada que vai começar.

Também fica claro que o Golden State Warriors vai ser uma máquina no jogo – já que só o pivô do time não está entre os quatro melhores da posição.

Harden, Curry e Wiggins: quem fez o tênis mais horroroso?

Um dos maiores feitos para um jogador de basquete é ter um tênis próprio, com seu nome. Não basta ser uma estrela da NBA para ser seus ‘signature shoes’: é preciso ser excelente jogador, uma personalidade popular e ser uma marca vendável.  Dos mais de 400 jogadores da NBA sob contrato de patrocínio com alguma marca, apenas 12 têm um tênis assinado ou batizado com o próprio nome.

Então o jogador se destaca, descola um contrato milionário, a empresa aposta nele e… o cara vomita todo o mau gosto dele num par de tênis. Foi isso que aconteceu nesta semana com o primeiro pisante assinado por James Harden.

harden

Combina com um macacão de fábrica

Não vi o DESCRITIVO da peça, mas pelo visual de ‘Equipamento de Proteção Individual’, não duvido que ele tenha aquela famosa biqueira de aço, providencial para o trânsito numa fábrica, mas dispensável para a prática do basquete profissional – ainda que recomendada em alguns casos. Os fãs de TRILHA e outras atividades parecidas também devem gostar do modelo – o qual não imagino que seja o público-alvo do lançamento.

O visual polêmico e pouco esportivo parece ser uma tendência, aliás. Na semana das finais da NBA, Stephen Curry lançou a linha ‘Curry 2’  e a turma caiu de pau no modelo ‘Chef’.

35231E2400000578-3635936-image-a-51_1465588460163

Z03IR@ com o tênis do Curry: rolou

Aparentemente o pessoal errou na mão ao tentar fazer um tênis ‘old school’, exagerando um pouco nas características ‘old’ da expressão. Ideal para usar com calça de moletom, o Chef foi preterido pela comunidade basqueteira e agradou só os atletas veteranos das modalidades Corte de Grama +65 anos – eu confesso que não achei tão ruim assim, mas talvez seja a minha alma de velho…

Outro que conseguiu defecar em forma de tênis foi Andrew Wiggins no seu primeiro ‘signature shoe’. Parece que na tentativa de fazer algo inovador e de alta performance, a rapaziada da Adidas desenhou o tênis definitivo para esportes radicais – um treco um pouco distante das características tradicionais dos sneakers de basquete.

wiggins

Do avesso deve ser lindo

Eu, que nunca fui muito fã destes tênis modernos de basquete – sempre achei mais legal os Air Jordans antigos -, já comecei a ser mais simpático com os KD, Lillards e Lebrons de sempre…

Adiós, Magnano

A Confederação Brasileira de Basquetebol (CBB) confirmou a saída do técnico argentino Rubén Magnano do comando da seleção brasileira masculina. O encerramento do vínculo com o treinador já era esperado depois da eliminação no torneio olímpico ainda na primeira fase e simboliza o final de uma era no time nacional. Ao meu ver, o trabalho foi razoável, o final foi melancólico e a saída foi natural. O desafio futuro não combina com o seu trabalho de seis anos comandando o elenco brasileiro.

Antes de qualquer coisa, vou fazer uma ressalva básica: a análise aqui se restringe ao trabalho técnico de Magnano. Ainda que ser treinador de uma seleção por seis anos signifique uma conivência com os rumos da Confederação Brasileira de Basquete, eu encaro que o ambiente de merda da CBB é um atenuante para a avaliação do legado do Magnano exclusivamente. Não que isso possa servir como desculpa, mas se o cenário fosse outro, as chances de melhores resultados seria consideravelmente maiores.

De um modo geral, acho que o trabalho realizado por ele foi bem decente. Foi bem justificável a aposta em um técnico campeão olímpico para comandar a primeira geração brasileira com jogadores da NBA. Ainda que tenha demorado um tempo e seja fruto de uma característica individual de alguns jogadores do elenco, sob seu comando o time definitivamente conseguiu assumir uma identidade de forte defesa e movimentação frenética da bola – e, convenhamos, que não é fácil implementar um modelo de jogo num elenco que se reúne a cada dois anos somente.

Os resultados, no entanto, não foram tão bons – aliás, salvo o quinto lugar nas Olimpíadas de Londres, em 2012, eles foram bem decepcionantes. Nada muito diferente do que Lula Ferreira e Moncho Monsalve conseguiram com esta mesma geração, mas convenhamos que a expectativa com Ruben Magnano era ligeiramente maior.

ruben-magnano-se-lamenta-durante-jogo-da-olimpiada-1471364954972_v2_900x506

Magnano montou um time com cara e identidade, mas com resultados decepcionantes

Outro problema, que ficou bem evidente nos últimos jogos, foi a insistência em fazer uma rotação que ignora o momento da partida, o calor do jogo e o desempenho individual dos atletas. Eu entendo que é importante ter convicções, mas é fundamental saber rever seus conceitos rotineiramente – e isso parece que nunca passou pela sua cabeça.

No final das contas, aquele papo de que “o Brasil não tem um jogador que decide” pode ser muito bem resultado de um esquema de jogo que não permite que um jogador se destaque a este ponto – e enquanto a seleção brasileira tinha dez atletas jogando 15 minutos, os rivais tinham jogadores que metiam 40 pontos por jogo. Quem sabe se Nene, Leandrinho ou qualquer outro tivesse esta liberdade, não seria um jogador “que decide” como os dos outros times…

Na reta final, Magnano também perdeu a chance de contribuir com o legado do basquete brasileiro e fazer uma seleção do povo, botando os jogadores em contato com a torcida nas vésperas do torneio do Rio. Ele preferiu a atitude antipática de blindar o elenco – o que se provou, no mínimo, ineficiente.

Diante do resultado dos jogos, então, sua saída era natural – ainda que eu ache que não foi um vexame. Ser um técnico bom, mas cabeça-dura não é uma combinação interessante para o desafio da seleção brasileira para os próximos anos.

É necessário contar com alguém que esteja alinhado com a formação dos jogadores no Brasil e que não tenha muito compromisso com os resultados imediatos – por sorte, a próxima grande competição é só daqui três anos, no Mundial de 2019 na China. Um técnico como José Neto vai muito mais ao encontro da renovação necessária para o escrete.

Dito tudo isso, adiós, Magnano.

Michael Phelps é bom, mas Kris Humphries era melhor

Os recordes de medalhas de Michael Phelps sugerem que ele é, ao lado de Usain Bolt, o atleta mais imbatível que nós podemos imaginar. Com as seis medalhas conquistadas nas Olimpíadas do Rio, Phepls chegou a 28 medalhas olímpicas, sendo 23 delas de ouro. Além de ser um talento incontestável, o nadador é um absurdo por ser muito versátil – sua especialidade, inclusive, é a prova de 200 metros medley, na qual ele é TETRA campeão olímpico e que é preciso nadar em todos os estilos.

Ainda que desde 2004 ninguém no mundo realmente consiga vencer Phelps nesta prova, havia um tempo em que ele era apenas o segundo melhor. Aos dez anos, em 1995, o nadador não era páreo para Kris Humphries, hoje jogador do Atlanta Hawks.

Os dois na época já eram jovens promessas do esporte americano. No mesmo campeonato, há 21 anos, Phelps se tornava o campeão americano da prova de 100 metros borboleta para crianças daquela idade. Humphries, por sua vez, tinha um desempenho um pouco mais notável: campeão em seis modalidades (em seis delas contra Phelps), com direito a três recordes nacionais entre as crianças daquela idade – um deles demorou 18 anos para ser batido!

records

Ainda que obviamente uma disputa entre crianças não seja a prova definitiva sobre quem é melhor em um determinado esporte, já dá uma boa medida sobre o talento que Humphries tinha para a coisa, afinal só cinco anos mais tarde Phepls estreou em uma prova olímpica.

Outro fato curioso é que naquela disputa de 95, Kris também venceu outro multi-medalhista olímpico: o CONTROVERSO Ryan Lochte, que saiu semana passada para tomar um goró e acabou causando uma treta diplomática.

screen_shot_2016-08-15_at_2.02.48_am

Pequeno Humphries: ídolo

Há um tempo, Kris justificou ter escolhido o basquete ao invés da natação. Em uma entrevista quando ainda era namorado de Kim Kardashian (um longo parêntesis aqui: sim, Kris Humphries foi aquele cara que foi casado por 70 e poucos dias com uma das personalidades mais populares dos EUA e, depois que foi trocado por Kanye West, se tornou o jogador mais odiado do país de acordo com uma pesquisa nacional pelo simples fato de ser corno  – tomando o posto de Lebron James apenas um ano depois do astro ter trocado o Cavs pelo Heat…), ele explicou que cresceu vendo Jordan jogar e o basquete sempre foi muito mais fascinante para ele.

Ainda que a sua escolha não tenha sido completamente fracassada – vá lá, são 13 anos na NBA, 56 milhões em salários acumulados… -, me parece que Humphries não tomou a melhor decisão da sua vida quando se encantou pelos malabarismos dos jogadores dos anos 90. Fica a lição para não levar o basquete tão a sério.

Ganhou mais uma vez e agora?

Como já era de se imaginar, a seleção americana ganhou o título olímpico no torneio do Rio. A campanha até a final não foi lá muito dominante. Ainda que sem tropeços, vários jogos foram disputados até o último quarto em um equilíbrio incomum para as seleções dos Estados Unidos, mas, mesmo assim, eles foram lá e carimbaram mais uma medalha de ouro – a terceira seguida.

Pela vantagem monstruosa colocada no jogo final (96 a 66) e por ter levado uma espécie de ‘time c’ (com mais craques pedindo dispensa do que jogando), é de se questionar quem vai, e o quanto vai, se motivar para jogar na seleção dos EUA daqui quatro anos.

Digo isso pelo histórico de altos e baixos do comprometimento americano com o torneio de basquete das olimpíadas. Em 92 e 96, os atletas ainda viviam a coqueluche da liberação de profissionais na competição, algo inédito, e da globalização das marcas de das suas famas. Passado isso, 2000 e 2004 os americanos tiveram participações quase que protocolares no torneio (tanto é que em uma delas ficaram apenas com o bronze). O fracasso motivou uma nova geração cheia de tesão para jogar o torneio. Mas, e passado isso, será que não vai rolar uma nova fase de baixa?

9gY7Ri42RU6GkiYwaoh51A

O grande ponto é que esta geração não vai mais ter pique ou vontade – boa parte da turma que conquistou o ouro em Pequim e Londres já preferiu as férias ao campeonato do Rio. Só Carmelo e Durant sobraram da leva do ‘Redeem Team’ para 2016, mas não imagino que continuem nessa por mais tempo – Anthony já estabeleceu os recordes de participações consecutivas e conquistas pela seleção e KD agora tem como foco conseguir são tão sonhado título da NBA. Dos demais, seja pela idade, qualidade ou aparente interesse, só consigo imaginar Anthony Davis se comprometendo por mais um título e, dependendo, Kyrie Irving repetindo a dose.

É muita especulação, claro. Difícil cravar quem vai estar bem e afim, mas meu palpite é que daqui para frente veremos um time totalmente reformulado, com vários dos calouros dos últimos e dos próximos anos. Imagino que, mesmo que seja talentoso, o grupo que vai assumir daqui em diante vai ter que ganhar uma boa rodagem para se tornar incontestável como a turma anterior foi.

E, se eles não chegarem com o mesmo sangue nos olhos que Kobe, Lebron e cia jogaram nos últimos anos, a coisa tem alguma chance de desandar – mas se vai ser o suficiente para tirar a hegemonia americana, eu já não sei. É muita futurologia para mim.

Time dos sonhos espanhóis

Alguns times são mais marcantes do que outros. A seleção americana de 1992, formada para as Olimpíadas de Barcelona, é com certeza o time nacional mais emblemático de todos os tempos. Pela primeira vez jogadores profissionais do basquete estavam liberados para disputar os jogos e os americanos juntaram os maiores craques da sua geração mais famosa em um único time. Michael Jordan, Magic Johnson, Larry Bird, Charles Barkley, Patrick Ewing David Robinson e companhia se reuniram na equipe com maior pedigree de todos os tempos e encantaram o mundo inteiro com um basquete avassalador e plástico: tudo que até hoje simboliza a NBA e a bola no cesto americana para o resto do mundo.

Mas teve uma turma que foi além. Não só se apaixonou pelo jogo dos caras, mas também se inspirou naquele time e se encantou pelo esporte: uma geração inteira de crianças do país que recebeu o Dream Team passou a ter o sonho de um dia formar um time de basquete tão bom quanto aquele. Poucos anos depois, o programa de desenvolvimento de basquete da cidade-sede dos jogos, Barcelona, revelou a dupla Pau e Marc Gasol e o armador Juan Carlos Navarro, que em 1992 tinham lá pelos seus 10 anos. Da mesma geração que cresceu encantada com aquele time saíram Jorge Garbarosa, Felipe Reyes e Jose Calderon, que no começo dos anos 2000 até hoje formou um dos melhores times internacionais de todos os tempos.

Claro que não foi só a inspiração do Dream Team que fez surgir do nada uma seleção forte. Ter uma das principais ligas do mundo é fundamental para isso e facilita muito as coisas. Ter clubes fortíssimos, uma consequência da importância da liga nacional, é outro ponto essencial, até mesmo para, vez ou outra, pescar um talento ainda em formação de outro país e até apelar e naturalizá-lo para jogar pela seleção (como fez com Serge Ibaka e Nikola Mirotic).

O resultado disso tudo, é que a Espanha só não se tornou uma hegemonia total do basquete nos últimos anos porque os Estados Unidos voltaram a dar valor para as competições internacionais. De 2004 para cá, os americanos eliminaram os espanhóis dos jogos olímpicos e, nas últimas duas edições, em confrontos nas finais.

6-jpg

A geração inspirada pelo Dream Team conseguiu duas medalhas de prata

Não dá para dizer que o jogo de hoje entre os dois times na semifinal é uma final antecipada – os australianos estão jogando muito bem e o time sérvio não é fraco -, mas com certeza coloca em choque os dois times mais fortes do mundo na atualidade.

Não seria uma maravilha se o Brasil seguisse o exemplo espanhol e, a partir das olimpíadas em casa, formasse uma geração inteira de apaixonados pelo esporte? Seria, ainda que eu não tenha muitas esperanças de que isso possa acontecer…

História pura

Exceto pela ausência do Brasil, os primeiros confrontos do mata-mata do torneio olímpico parecem que foram escolhidos a dedo para que os jogos mais representativos possíveis acontecessem já nas quartas de final. Dos quatro jogos, três deles têm histórico de rivalidade, grandes jogos, partidas marcantes e coisas do gênero – e pelo caráter de cada um deles, tudo deve entrar em quadra quando a bola subir.

Austrália x Lituânia, 11h

Até a forma como o calendário foi feito parece que orna com isso: o primeiro jogo do dia, Lituânia x Austrália, às 11 horas, é o único confronto mais sem sal da rodada. Se há algum tempero aí é a expectativa de um jogo muito brigado, com chances reais de alguém se exceder na ‘vontade’: o pivo europeu Jonas Valanciunas não é um cara muito delicado e vai encontrar o igualmente ‘educado’ Andrew Bogut. Em termos técnicos, é também um jogo muito imprevisível, já que os lituanos têm um time melhor, mas que vem de duas derrotas atordoantes, enquanto os australianos são a surpresa positiva da competição.

Espanha x França, 14h30

Na sequência, às 14h30, os times que protagonizaram os melhores confrontos recentes na Europa se matam por uma vaga nas semifinais. Começa que os dois times vivem seus melhores momentos na história: uma geração cheia de craques para os dois lados e hegemonia local. Para se ter uma ideia, nos últimos QUATRO campeonatos europeus, um time eliminou o outro no mata-mata (sendo uma delas na final e outras duas em prorrogações).

O início da rivalidade se deu em 2009, quando Espanha, favoritaça, despachou o ascendente time francês no primeiro jogo do mata-mata. Até aí, tudo tranquilo, normal, só mais um time eliminado pela forte seleção de Pau e Marc Gasol. Em 2011, dois anos mais tarde, os dois times se enfrentaram na final do torneio – e mais uma vez a Espanha ganhou com até alguma tranquilidade.

Na edição seguinte, a treta ficou mais séria. Os dois times se cruzam novamente, agora na semifinal, com uma França mais calejada, mas que vinha cambaleando na fase de grupos. No tempo normal, Rudy Fernandez e Tony Parker lideram seus times a um empate em 65 a 65, com Calderon errando o arremesso final que daria a vitória pra Espanha. Na prorrogação, a França abre três pontos no minuto final em três arremessos livres e a Espanha desperdiça duas chances de empatar nos últimos segundos.

A revanche volta no torneio seguinte, em 2015, com novo embate nas semifinais. Desta vez, franceses jogam em casa com uma campanha impecável de sete vitórias e nenhuma derrota. Os anfitriões começam atropelando os espanhóis, que devolvem uma reação impressionante no segundo quarto. No último período, Sergio Rodriguez abre três pontos nos últimos 30 segundos, mas Batum mete uma bola do corner para levar o jogo para a prorrogação na sequencia em um ginásio incendiado pela torcida da casa. Na prorrogação, a redenção espanhola, que abre cinco pontos nos segundos finais e elimina o rival – com 40 pontos de Pau Gasol.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=pIubkw2O69I&w=560&h=315]

EUA x Argentina, 18h45

Na bola, deve ser o jogo mais aguardado. Os velhacos argentinos estão dando o último gás nestas olimpíadas e o time americano, apesar de ser o único invicto, não está sobrando como se imaginava. A preguiça defensiva e um jogo no ataque baseado única e exclusivamente no chute de três dá alguma esperança para a Argentina, que deve ser o único time com muita torcida contra e a favor em quadra na competição ainda.

argentina-usa-atenas

Na história, o duelo é gigante. Das três derrotas americanas na história das olimpíadas, a mais dolorida e importante foi justamente contra o escrete sulamericano. Em 2004, os nossos vizinhos conseguiram um feito absurdo de derrotar o time dos EUA na semifinal. Ginobili, Scola, Nocioni e cia (sim, os mesmos caras de hoje) derrotaram um time que não era fraco, com Duncan, Carmelo, Lebron e outros.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=vBnw6I9p_4Q&w=420&h=315]

Se alguma seleção assombra a hegemonia americana, é ‘L’Alma Argentina’.

Sérvia x Croácia, 22h15

Esse sim é guerra. Se você matou as aulas de geografia e história no colégio, vai ser difícil passar a dimensão de toda a treta, mas basicamente a divisa entre eles já foi cenário de guerra quando os croatas buscavam a independência da antiga Iugoslávia.

A merda toda já afetou o basquete, inclusive (o que é brilhantemente retratado no documentário Once Brothers, que se você não viu, deve baixar agora mesmo no computador da firma e assistir mocado): ainda em processo de separação das suas repúblicas, a Iugoslávia venceu o mundial de 90, mesmo com croatas, sérvios e montenegrinos no elenco. Na comemoração, um torcedor invadiu a quadra com a bandeira croata e, num ato de impulso e com a justificativa de não querer politizar a situaçao, Vlade Divac, sérvio, tirou a bandeira da mão do torcedor – o que irritou os jogadores de origem croata do time, gerando uma treta enorme nos anos seguintes entre os atletas.

A coisa só piorou nos anos seguintes, com jogos que representavam a extensão da guerra entre os países. O treinador atual da sérvia, inclusive, já meteu um buzzer beater no áuge da discussão política de separação das repúblicas, apimentando ainda mais a rivalidade.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=R2z2XEwrduM&w=420&h=315]

Sou ignorante o suficiente para não saber se os caras se odeiam ainda hoje ou não, mas dentro de quadra os times registraram jogos bem disputador nos últimos tempos. Há uma máxima entre os times que ‘só os sérvios conseguem decidir um jogo no último segundo’ – e o último jogo entre os dois foi assim, com vitória da Sérvia por um ponto no mundial de 2014.

Pouco tenso? Pois é, só faltou o país sede nesse bolo.

Equilíbrio insano

Estava na cara, desde o princípio, que o Grupo B do basquete masculino das Olimpíadas, onde o Brasil tinha caído, era absurdamente equilibrado. Eram cinco times quase que em paridade de forças lutando por quatro vagas. Tirando o fato da seleção brasileira ter se dado mal nessa conta, a classificação final do grupo é o retrato perfeito da disputa mais parelha possível.

classi

Sim, todos os classificados, do primeiro ao quarto, terminaram rigorosamente empatados com oito pontos (três vitórias e duas derrotas). Argentina e Lituânia, que lideraram a tábua durante as quatro primeiras rodadas, caíram para as suas últimas posições de classificação. Espanha, que podia ser eliminada caso perdesse o último jogo, passou para a segunda colocação e Croácia, que chegou pela repescagem e era alegadamente o time mais fraco dos cinco (até que o Brasil, em tese), fechou em primeiro. Loucura total.

O critério de desempate era, a grosso modo, o confronto direto. Quando há mais de dois times empatados, deve se considerar a pontuação conquistada somente nos confrontos entre os times envolvidos. Desta forma, Croácia e Espanha pulam na frente de Lituânia e Argentina (já que as derrotas para Nigéria e Brasil são ‘desconsideradas). Daí, no confronto direto entre os times, croatas superaram os espanhóis e lituanos derrotaram os argentinos.

O alento para torcida brasileira, que sofreu tanto nas duas prorrogações contra a Argentina e mais ainda quando eles entraram em quadra meio moles contra a Espanha – quando o Brasil precisava que argentinos vencessem espanhóis na última rodada, é ver que esta derrota dos ‘hermanos’ sacramentou o cruzamento com os EUA logo no primeiro jogo do mata-mata.

Não foi vexame

Claro que poderia ser muito melhor, que poderia se classificar e até avançar no mata-mata dependendo do cruzamento da segunda fase, mas o resultado da seleção brasileira no torneio de basquete não foi vergonhoso, como muita gente tem dito neste momento.

O grupo do Brasil era muito foda. Das seis equipes, cinco tinham plenas condições de se classificar. O problema é que eram apenas quatro vagas – e os brasileiros que ficaram de fora.

Eu até concordo que as rotações de Magnano foram esquisitas, que o time foi amador em um ou outro momento decisivo, mas não acho que exista um grande culpado pela eliminação.

Olhando jogo a jogo, o Brasil teve boas condições de vencer todos eles. Começou muito mal contra uma Lituânia que acertava tudo, mas quase conseguiu buscar uma diferença de 29 pontos. Contra a Croácia, fez um jogo honesto, mas do outro lado tinha um Bogdanovic endiabrado. Superou o melhor elenco do grupo, os espanhóis, e perdeu para a Argentina em um jogo com mais méritos dos hermanos, que teve muita estrela em buscar dois empates nos segundos finais, do que deméritos do Brasil.

Da mesma forma que perdeu três destes jogos, poderia ter vencido mais um, mais dois, ter perdido mais um. Foi tudo decidido muito no detalhe. A verdade é que as coisas estavam equilibradas a ponto de que todos os times tinham chances de classificação na ultima rodada do grupo – Argentina podia se classificar do 1º ao 4º lugar, Croácia idem, ou dependendo do resultado da Lituania, os quatro classificados podem terminar empoados, num cenário de paridade surreal.

O problema é que o ufanismo toma conta da rapaziada nessas horas e nem sempre conseguimos ver a dificuldade de um torneio olímpico – basta ver o que a rapaziada me xingou quando eu disse que jogar em casa não garante medalha pra ninguém. Com muita sorte nos cruzamentos dava pra ir mais longe, mas seria uma campanha que desafiaria a lógica do torneio e o favoritismo de outros times.

Claro que, apesar de não achar que foi um grande vexame, eu esperava um pouco mais. Achava que o Brasil tinha elenco pra superar pelo menos Croácia e Argentina. Ia achar sensacional um jogo, mesmo que fosse uma eliminação anunciada, contra os Estados Unidos com um ginásio incendiado pela torcida. E, por fim, torcia muito por uma campanha histórica pra esta geração que se despede da seleção e não vê muitas alternativas de renovação.

Mas não rolou. Diante de todas as circunstâncias, acontece…

Page 1 of 3

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén