São 17h30 e meu braço está formigando até agora

Pelo amor de deus, eu não estou preparado pra isso! O jogo entre Brasil e Argentina acabou faz quase uma hora e até agora eu estou meio zonzo, atordoado. O que nós acabamos de assistir foi um dos roteiros mais épicos, insanos e absurdos que o basquete pode nos proporcionar – infelizmente com um desfecho ruim para os brasileiros.

Na real se você não viu a partida, procure agora a programação dos canais de esporte e assista a reprise de madrugada. Qualquer descrição do jogo vai ser insuficiente para explicar a atmosfera da partida. Só assistindo para entender toda a aflição das quase três horas de embate. Mas se é possível resumir de alguma maneira, foi um jogo com duas prorrogações em um ginásio lotado de torcedores das duas equipes e decidido nos últimos segundos – e em vários momentos meu braço deu aquela formigada, num sinal claro de PRINCÍPIO DE INFARTO.

2016-08-13t191741z_1043264034_rioec8d1hlg63_rtrmadp_3_olympics-rio-basketball-m

Vai se foder, Nocioni

Apesar da tristeza de perder um jogo assim e decretar o destino fatal de enfrentar os americanos nas quartas de final, é preciso entender que vimos um dos maiores jogos da história das olimpíadas, com uma atmosfera que impressionou o mundo inteiro – os jornalistas americanos, especialmente, surtaram por nunca terem assistido uma partida com duas torcidas tão barulhentas e intensas em uma quadra de basquete.

Não vou tentar explicar a derrota – o Brasil errou em algumas jogadas, mas da mesma forma os argentinos vacilaram em diversos momentos e isso que fez o jogo ser pegado. Só vou lamentar que a vitória não tenha vindo. Seria o tipo de superação perfeito para o enredo de uma medalha olímpica. Vencer os rivais argentinos desta maneira poderia ser a passagem de bastão de um time que conseguiu um milagre olímpico para outro que tenta um feito parecido. Não rolou.

O final foi triste, o enredo foi nervoso, mas foi um puta jogo – e é por isso que nós amamos essa merda (nas derrotas é uma merda mesmo) de esporte.

CompartilheShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone

Previous

Fiel da balança

Next

Hoje tem que dar Brasil… e Argentina!

2 Comments

  1. Renan

    Como um grupo, de forma geral, o Brasil é MUITO superior à Argentina. Eles basicamente contaram com dois jogadores que jogaram monstruosamente demais.Nem Scola nem Ginobili jogaram bem, enquanto nós tinhamos um banco muito melhor que o deles. Acho que o Magnano errou ao dar pouca oportunidade para o Benite e o Giovannoni, que entraram muito bem. E outra: pelo amor de deus, é só eu mesmo ou tem mais alguém que acha que o Huertas NÃO SABE ARREMESSAR?

    • Renan

      Acho que se a minha avó tivesse no lugar do Huertas ela teria acertado aquela cesta no final do quarto período…

Leave a Reply

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén