[Previsão 16/17] Jazz: não dá pra ficar no ‘quase’ mais uma vez

Foi por uma vitória. Um mísero jogo que o Utah Jazz ficou de fora dos playoffs do ano passado. Eu lembro da partida que, na prática, tirou as esperanças da equipe: faltavam quatro jogos e o time brigava cabeça a cabeça com o Houston Rockets para ver quem iria ao mata-mata. O Jazz era o time organizado e em evolução, enquanto o Rockets era uma bagunça de um homem só, James Harden. O jogo era em casa, contra o Los Angeles Clippers. O rival estava totalmente baleado e tinha entrado com a equipe reserva – já tinha garantido o quarto lugar no Oeste e não tinha como ultrapassar mais ninguém. O Utah liderou boa parte do jogo, mas nos minutos finais deu bobeira e, numa jogada espírita de Jamal Crawford, deixou a partida ir para prorrogação e perdeu no arremesso no último lance do armador do LAC.

O time desmoronou. Dali em diante, ainda perdeu para Dallas e, já sem chances, para o Lakers, afundando as chances de seguir para o mata-mata. Uma pena, pois faria uma diferença brutal para os jovens jogadores do time ir para os playoffs e encarar uma série contra o Warriors. Mesmo com a provável derrota, seria uma experiência valiosa para este ano.

O time é muito bom e completo. Tem um quinteto poderoso e voluntarioso, além de um banco com profundidade. Este ano, não dá para ficar no quase.

Offseason
O time se mexeu e conseguiu excelentes coadjuvantes para completar um núcleo já bem talentoso. Eu odeio o George Hill, mas preciso admitir que ele é um armador útil na defesa e que não compromete no ataque quando há outros jogadores para cantarem as jogadas (que é o caso do Jazz, com Hood e Hayward). Boris Diaw é um craque no corpo de uma bigorna e Joe Johnson é a experiência necessária para guiar o time quando der um apagão na molecada.

Time Provável
PG – George Hill / Dante Exum / Raulzinho
SG – Rodney Hood / Joe Johnson / Alex Burks
SF – Gordon Hayward / Joe Ingles
PF – Derrick Favors / Boris Diaw / Trey Liles
C – Rudy Gobert

Feb 9, 2016; Dallas, TX, USA; Utah Jazz forward Gordon Hayward (20) celebrates with guard Rodney Hood (5) and forward Derrick Favors (15) after making the game winning shot in overtime to defeat the Dallas Mavericks at American Airlines Center. Mandatory Credit: Kevin Jairaj-USA TODAY Sports

Expectativas
Eu vejo este time como a única garantia de upside para os playoffs no Oeste deste ano. Wolves pode conseguir, Nuggets corre por fora, mas dos times que não foram ao mata-mata na temporada passada, acho que só o Jazz é garantidamente uma das oito melhores equipes da conferência.

Previous

[Previsão 16/17] Magic: alguém entendeu alguma coisa?

Next

[Previsão 16/17] Wizards: o limite do talento de Wall e Beal

1 Comment

  1. Bacellar

    O principal problema, além de contusões (Burks e Exum), foi a contratação do Shelvin Mack. O time vinha crescendo e acabou piorando demais. Não digo que o Raulzinho estivesse jogando como uma estrela, mas o time jogava melhor com ele em quadra. Anyway, vamos Utah Jazz!

Leave a Reply

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén