A offseason se desenhava positiva para o Miami Heat quando, no primeiro horário possível, Hassan Whiteside anunciou em seu snapchat que renovaria com o time. O pivô era um dos mais assediados entre os jogadores sem contrato em toda a liga e, de imediato, dissipou a angústia dos torcedores do time avisando que ficaria por mais algumas temporadas.

Mas os capítulos seguintes de uma das novelas mais dramáticas da offseason foram melancólicos. Primeiro a notícia não tão surpreendente de que o time não estava nos planos de Kevin Durant – Pat Riley e os baixos impostos da Flórida não seduziram o jogador.

Depois, o enrolado vai e vem com Dwyane Wade. O jogador mais importante da história da franquia tinha um histórico de problemas para renovar seu contrato e, finalmente nesta temporada, acabou batendo o pé até o último momento contra Riley. O cabo de guerra acabou com Wade assinando por 20 milhões com o Chicago Bulls e abandonando o time onde fez sua carreira.

Por último, a trágica informação de que Chris Bosh não está completamente recuperado dos coágulos sanguíneos que o tiraram de ação nos dois últimos campeonatos.

bosh-heat

Ainda que o jogador esteja disposto a assumir o risco de jogar, a franquia não pretende usá-lo mais. Aí entra uma discussão que vai além da condição médica do atleta. O time se baseia no risco (real e gravíssimo, não se pode minimizar isso) para uma manobra contratual que livraria o salário de Bosh da folha salarial. Ao não usar o jogador no seu elenco neste ano, o time pode preencher seu espaço no salary cap e iniciar uma reconstrução no seu elenco.

Independente da moral do recurso (se é uma precaução legítima ou se está se aproveitando da condição duvidosa do jogador para tirá-lo do time), a equipe que veremos nesta temporada será, pela primeira vez, completamente diferente do Miami Heat campeão de 2006, 2012 e 2013.

Offseason
Além de tudo que foi dito aqui já, o time assinou com Dion Waiters (odeio, mas pode ser útil neste time), Derrick Williams e outros menos badalados e pouco eficientes.

Time Provável
PG – Goran Dragic / Tyler Johnson / Beno Udrih
SG – Josh Richardson / Dion Waiters
SF – Justise Winslow / James Jonhson
PF – Derrick Williams / Josh McRoberts
C – Hassan Whiteside / Willie Reed

Expectativa
Diante de tudo isso, não vejo o time indo para os playoffs neste ano, ainda que possa brigar até o final pelas últimas vagas. Whiteside é um bom pivô e Winslow e Richardson são jogadores interessantes para começar um processo de reformulação para as próximas temporadas.

CompartilheShare on Facebook562Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone