Mesmo que o Philadelphia 76ers esteja com uma campanha ainda sem vitórias no campeonato e com o pior saldo de pontos de toda a liga, nenhum torcedor do time diria que a temporada atual se compara com os últimos anos do time, quando entrou em um processo sinistro de reconstrução que parecia não ter fim. O clima, a vontade e competitividade é outra. Mas tem um fator ainda mais determinante para que o Sixers deste ano esteja irreconhecível se comparado com os demais: a presença do pivô camaronês Joel Embiid.

Na sua estreia, depois de dois anos de espera, a sólida atuação de Embiid foi comemorada com um irônico grito de “MVP! MVP!”. Mais do que uma brincadeira com seu jogador, era um grito aliviado de que todo aquele sofrimento, todas aquelas derrotas propositais, renderam um fruto sequer.

Os torcedores já entraram na temporada desesperançosos quando Ben Simmons fraturou o pé e anunciou que poderia ficar o ano todo de molho. Dos jovens escolhidos no draft como futuras promessas, Noel também vai perder o início da temporada machucado e Jahlil Okafor se mostrou problemático o suficiente para a franquia já procurar trocá-lo assim que surgir uma oportunidade. O bom desempenho de Embiid era a última cartada para que esta não fosse mais uma temporada jogada no lixo.

joel-embiid-2016100801

Além de mostrar um talento acima da média e solidez nos fundamentos, Joel é uma das figuras mais carismáticas da liga. Enquanto esteve se recuperando de lesões nos dois últimos anos, Embiid desenvolveu um senso de humor peculiar de autodepreciação que faz os fãs da NBA torcerem por ele e os torcedores do Phila idolatrarem o cara.

Depois de ter fingido namorar com a Rihanna nas redes sociais e praticar bullying desenfreado com seus colegas de time, Joel conseguiu recuperar a credibilidade ao slogan da franquia, Trust the Process (confie no processo), usado para acalmar os torcedores enquanto era sucessivamente um dos piores times da NBA: agora, ele se autodenomina o “Process” em pessoa, como quem assume, meio que brincando, meio que não, toda a responsabilidade por dar um novo gás ao time.

Acho que mais gente sentiu isso. Mesmo perdendo de lavada, o Sixers parece finalmente que joga para tentar ganhar. Aguentou bem até o terceiro quarto contra o Oklahoma City Thunder na estreia e jogou pau a pau o primeiro tempo contra o Atlanta Hawks, num ímpeto improvável de se encontrar nas últimas três temporadas.

Neste clima, Embiid vestiu tão bem a fantasia de dono do time que nem se fala mais em quando Ben Simmons vai voltar, se vai ser este ano ainda ou não. Tudo que querem é ver o pivô jogar mais vezes e confirmar que está saudável mesmo.

Com esta desconfiança superada, Embiid já poderá ser considerado uma das grandes estrelas emergentes da liga – tudo que o Sixers procurou ao longo destes anos.

 

CompartilheShare on Facebook689Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone