Quão bom no ataque um jogador tem que ser para não precisar defender?

A vida é comumente definida por grandes clichês. “O ataque ganha jogos, a defesa ganha campeonatos” é um daqueles repetidos à exaustão no esporte a ponto de sequer pensarmos a respeito dele. Já virou uma verdade absoluta que um time com um ataque letal tem boas chances de ser superado por aquele que tem uma defesa mais sólida.

Com toda a gama de informações, dados e possibilidades de análises que temos hoje, já sabemos defesas ganham, sim, campeonatos, mas na mesma medida que ataques. A história prova isso – em um histórico recente, dá para citar que o Cleveland Cavaliers do ano passado, o Miami Heat de 2013, o Dallas Mavericks de 2011, o Los Angeles Lakers de 2009 tinham defesas consideravelmente piores dos seus rivais nas finais e, mesmo assim, levaram o caneco.

Mesmo que a realidade comprove que os dois lados da quadra são de suma importância, e que mais vale que um time funcione à sua maneira do que como a cartilha dos clichês recomendam, jogadores também são reféns das ‘verdades absolutas’ dos ‘entendedores’ do esporte.

Neste caso em específico, parece que há uma tentativa exagerada de se compensar as coisas, uma vez que os jogadores que são muito bons no ataque tendem a ser mais valorizados pela torcida do que aqueles que são excelentes na defesa. Na tentativa de dar os merecidos créditos aos marcadores implacáveis, muita gente menospreza os artilheiros que são preguiçosos ‘lá atrás’.

Mas se existem tantos mitos sobre a importância exagerada de um dos lados da quadra quando se fala nos times, será que não acontece o mesmo na avaliação dos jogadores. Afinal, sem preconceitos e clichês, o quanto um jogador tem que ser bom no ataque para poder ser ruim na defesa? O quanto ele ser folgado na defesa o torna um mau jogador se ele for decisivo no ataque?

Com certeza é bem difícil QUANTIFICAR isso, afinal, por mais que existam números e estatísticas que tentem fazer isso, simplesmente não é possível medir o real impacto de um jogador em um time. É tudo uma questão de encaixe, de química com o time e do que se espera dele.

Por mais que James Harden, por exemplo, seja o principal sinônimo da NBA para um mau defensor hoje (até injustamente, diga-se, já que existem milhões de jogadores piores do que ele na hora de marcar um adversário), é óbvio que suas qualidades como pontuador e, agora, construtor de jogadas o tornam indispensável para qualquer equipe.

O esquema atual do Rockets torna seu esforço defensivo ainda mais dispensável, uma vez que o time preserva em suas rotações sempre pelo menos três jogadores bastante móveis na marcação e cobertura tanto fora quanto dentro do garrafão. Neste esquema, sempre Patrick Beverley, Eric Gordon, Trevor Ariza, Sam Dekker, Nene ou Clint Capela estão se matando na transição para tentar recuperar a bola. Neste modelo, vale mais a pena manter James Harden sempre pronto para puxar um contra ataque de três segundos do que o colocar para se esforçar além da conta na marcação.

Outro que entra na mesma cota indiscutivelmente é Isaiah Thomas. Na sua escalada de role player para all star, Thomas mostrou que é um dos mais mortais pontuadores por centímetro da história da NBA, mas que sua defesa condiz com a sua altura. Nas stats avançadas de impacto nos dois lados da quadra, o tamanho do gap de qualidade do jogador no ataque e na defesa não há precedentes. Segundo as estatísticas, não há um jogador com tanta diferença entre o impacto positivo no ataque e negativo na defesa. Mesmo assim, o Boston Celtics de hoje, que começa a ameaçar o domínio absoluto do Cleveland Cavaliers, tem Thomas como seu principal jogador. A sua figuração sem a bola é complementada sem problemas pelas qualidades de especialistas de Avery Bradley e Marcus Smart.

Mas o bicho começa a pegar quando falamos de caras que não são absolutas unanimidades. Vou pegar o exemplo do Monta Ellis. Foi “o cara” do Golden State Warriors antes do time se tornar o que é hoje. Fazia 25 pontos por jogo e era a principal estrela da equipe. No entanto, contando só os minutos que estava em quadra, nunca seu impacto positivo na frente foi superior ao seu impacto negativo na retaguarda.

Tanto é que nas últimas seis temporadas enfrenta uma queda implacável na sua minutagem em jogo e na sua participação na rotação das equipes. Neste ano, o Indiana Pacers se acertou quando ele se lesionou e embalou quando o colocou como reserva. Hoje, sua participação se resume a um escape na segunda formação do time.

Outro exemplo complicado é o de Kevin Love. Ser péssimo na marcação e soft na briga dentro do garrafão nunca foi um grande problema até as finais do ano passado. Primeiro no Timberwolves, em que ele era o líder no ataque de um time que não competia por grandes coisas – portanto, não fazia muito sentido puni-lo com menos tempo de quadra se o resto do elenco não iria ajudar -, depois no Cavaliers, onde se resumiu, no início da sua passagem, a um especialista no perímetro.

No entanto, na batalha final contra o Golden State Warriors, suas deficiências defensivas se tornaram praticamente insustentáveis. Enquanto o time perdia as primeiras partidas, Love era considerado o responsável por não ajudar o time a segurar o ataque californiano – a ponto de começar um jogo como reserva. O Cleveland virou a série e quase ninguém se lembra mais disso.

Neste ano, por outro lado, Love voltou a encontrar um protagonismo parecido com o que tinha em Minnesota. Preciso no ataque e novamente presente no garrafão, seus problemas de marcação não incomodam mais tanto assim.

No fundo, percebe-se que, na verdade, não é qualidade ofensiva de um jogador que o faz poder abrir mão dos esforços defensivos. Mas sim o seu papel na equipe e as compensações que o grupo de jogadores fazem para bancá-lo. Monta foi útil enquanto alguém defendeu por ele. Love voltou a ser assim que a defesa do Cavs não foi mais um problema. Isaiah se tornou uma estrela quando foi rodeado de bons marcadores. O próprio James Harden virou um perene candidato a MVP logo depois do Thunder abrir mão dele, também por não ser um grande defensor – o que se mostrou um erro brutal hoje. É muito mais uma questão de contexto e encaixe do que a diferença entre qualidade ofensiva e defensiva.

Trocar o pivô Jalhil Okafor tem sido uma dura tarefa para o Philadelphia 76ers. Dominados pelo modismo que os centers precisam ser ultra-versáteis e devem, necessariamente, funcionar como âncoras defensivas fizeram o jovem jogador parecer um inútil, apesar de ter um dos mais refinados jogos de low-post. Trata-se como se o jogador não fosse ter qualquer utilidade na liga por ser um marcador fraco e ter uma péssima estatística de box plus-minus (que tenta medir o impacto dos jogadores em quadra).

Acontece que, ao meu ver, saber jogar de costas para a cesta e pontuar nestas situações é uma qualidade tão importante quanto ser um preciso arremessador de três – fundamento ovacionado nos dias de hoje. E, além disso, stats avançadas nos ajudam a entender o jogo, mas não são determinantes – os mesmos dados sugerem que Kawhi Leonard, melhor defensor da liga nos dois últimos anos, não é um marcador tão bom assim.

Jahlil Okafor realmente não me parece uma peça fundamental para o Sixers, que tem um garrafão congestionado de jovens talentos, mas não me parece que se sairia mal em times com uma boa cobertura das suas deficiências – empurrar Anthony Davisd para a ala no Pelicans não seria nada mal, testar uma formação ultraofensiva no Blazer seria interessante ou apostar na evolução junto ao Bucks é uma opção. Enfim, sendo talentoso, há espaço de alguma maneira.

O que não dá é continuar repetindo e concordando com clichés. Estes sim não contribuem com quase nada.

Previous

O dever da torcida do Thunder é atormentar Kevin Durant hoje

Next

Correção de rota

1 Comment

  1. MESTRE KAMIKA

    concordo plenamente. Time é ajuste, se não há encaixe não dá… e jahlil okafor é muito novo, tem muito a evoluir, mas já caberia em uma dúzia de times pra ser melhor aproveitado…

Leave a Reply

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén