Parece que bastou que Zach Lavine caísse com uma lesão que o tiraria para o restante da temporada para que a dupla Andrew Wiggins e Karl Anthony Towns deslanchasse de vez.

De fato, desde que o shooting guard se machucou, a dupla registrou números insanos. Nos últimos sete jogos, todos sem o colega, Wiggins e Towns lideraram o time para vitórias importantes (uma contra o forte Raptors e outra contra o rival Nuggets). Antes da lesão os dois tinham médias, somados, de 45 pontos por partida. Depois dela, tem sido 60 por jogo.

Mesmo que os números empolguem, o time passe por uma fase boa e os jogadores deem sinais de que estão melhores encaixados sem o colega, o Timberwolves não é um time melhor sem Lavine e as chances de playoffs não aumentam com sua ausência.

A melhora imediata da equipe não passa de um sintoma comum dos times jovens e em evolução. Uma semana engatam uma sequência boa, na outra caem de produção. É natural que Towns e Wiggins vão pontuar mais na ausência da terceira força ofensiva da equipe, mas Lavine vinha tendo o ano mais sólido da sua carreira e o Minnesota não tem um elenco profundo a ponto de poder abrir mão dos seus recursos técnicos.

Os números de pontos feitos e sofridos com e sem Lavine em quadra até abrem margem para debate – o time vinha sofrendo mais pontos com ele em quadra e fazendo menos -, mas o lance aqui é que um time em formação tem que privilegiar o entrosamento e evolução dos seus melhores atletas. Se o time ainda tivesse virado da noite para o dia com um jogo incontestável, ainda era de se pensar, mas não é o caso. Por isso, é insano pensar que é melhor jogar sem Lavine ao invés de trabalhar a química entre o trio à exaustão.

É importante lembrar que Andrew Wiggins começou a temporada com números parecidos com os atuais, mas viveu um apagão a partir de dezembro. Towns, por outro lado, começou a temporada mais discretamente e com o passar dos meses tem mostrado todo o potencial que sinalizou ter já no final da última temporada. Levando isso em conta, é mais provável que ambos estejam passando por um período de alta juntos, do que o time tenha encontrado uma maneira mais eficiente de jogar.

Isso não tira de vista a tese de que talvez Lavine possa desempenhar outras funções quando voltar ou que possa ser deslocado para o banco – em todo caso, não acredito e nem apostaria nisso.

Por último, ainda que matematicamente seja viável se classificar para os playoffs, acho muito difícil que isso aconteça nestas circunstâncias. À exceção do Dallas Mavericks, todos os concorrentes (Denver Nuggets, Sacramento Kings, New Orleans Pelicans e Portland Trail Blazers) pela oitava vaga estão mais preparados para terminar o ano indo para o mata-mata.