Há 28 anos, Michael Jordan fazia a cesta mais importante da sua carreira até aquele momento. Faltavam três segundos para acabar o jogo, o Chicago Bulls estava um ponto atrás no placar do último jogo da série de primeiro round contra o Cleveland Cavaliers. Jordan corre para receber o lateral entre dois jogadores rivais, bate bola até a cabeça do garrafão e salta para o chute com um segundo restando no relógio. Num movimento meio Dadá Maravilha, MJ parece que plana por uma fração de tempo, ‘retarda’ sua queda ao chão para ganhar espaço e arremessa no último centésimo antes de seu pé tocar a quadra novamente. Acerta o arremesso e faz a ÚNICA cesta da história no estouro do cronômetro em um último jogo de uma série eliminatória.

Por todo esse drama, este é conhecido como The Shot, ‘O ARREMESSO’, com uma ênfase brutal no artigo definido que explica que este é o chute mais importante já convertido – mais até que aquele que o mesmo Jordan meteu sobre Byron Russell contra o Jazz, já que aquele podia ser errado que o Bulls teria mais um jogo para tentar o título caso perdesse a partida.

É muito comum que o Chicago Bulls de Jordan hoje seja lembrado como um time super dominante e quase invencível. Foi mesmo a partir do momento que venceu seu primeiro título em 1991. Mas até lá, a franquia e o próprio Jordan eram bastante contestados, por uma suposta falta de capacidade de definição de jogos e vencer partidas importantes. ‘The Shot’ foi um grande marco para que esta impressão começasse a mudar.

Em 1989, Boston Celtics, Los Angeles Lakers e Detroit Pistons ainda eram os grandes times da liga. Chicago e Cleveland eram duas equipes emergentes que buscavam bater os rivais mais vencedores do momento. Na temporada regular, o Cavs, por sua vez, tinha vencido todos os seis jogos contra o Bulls e terminado o campeonato com a terceira melhor campanha no Leste – o Chicago ficou com a sexta.

Neste ano, as duas equipes-sensação da temporada se enfrentaram logo no primeiro round dos playoffs (que na época era uma série de cinco jogos). O jogo anterior já tinha ido para a prorrogação Jordan tinha feito 50 pontos, mas o Bulls havia sido derrotado – confirmando a tese na época de que Jordan era um jogador com marcas individuais impressionantes, mas falhava como um vencedor.

Na derradeira partida, veio a resposta num confronto de equilíbrio foi brutal. A três minutos do final, o jogo estava empatado em 90 a 90 e teve uma dezena de trocas de liderança até o apito do cronômetro. Jordan, que terminou com 44 pontos a partida, fez 6 nestes últimos minutos de jogo. Craig Ehlo, reserva do Cavs, vinha se transformando no herói improvável da partida, com 24 pontos, 8 deles nos últimos três minutos e uma cesta a 4 segundos do final da partida. Mas, coitado, ao invés de entrar para a história por isso, ficou marcado por ser o cara que tentou bloquear o arremesso derradeiro de Jordan – e aparecer nas milhões de reprises se lamentando, enquanto Michael Jordan dava o soco no ar mais famoso do basquete.

CompartilheShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone