Ontem, na abertura da série da final da conferência Oeste, tivemos dois jogos. Um com Kawhi Leonard, em que o San Antonio Spurs massacrou o Golden State Warriors, e outro sem o jogador, lesionado, em que o time de Oakland devolveu a porrada e atropelou o rival. O azar do Spurs – e sorte do Warriors – é que tudo isso valeu pela primeira partida da série e na soma final dos fatos, o Golden State saiu com uma ligeira vantagem que rendeu a vitória e o 1-0.

O começo de jogo foi surreal. O San Antonio Spurs, que enfrentou algumas dificuldades contra Memphis Grizzlies e Houston Rockets, foi absolutamente superior ao Golden State Warriors, que não tinha passado sufoco ainda nos playoffs. No primeiro quarto, foram 30 a 16. Ao intervalo, 62 a 42.

A diferença, que chegou a 25 pontos, foi construída com uma defesa muito forte do Spurs e um ataque cadenciado e eficiente. O time também estava dominando completamente os rebotes. Mais de 1/3 dos arremessos errados foram recuperados no ataque. Além de Kawhi Leonard, um dos melhores defensores da NBA, Jonathon Simmons, Patty Mills, Danny Green e, PASMEM, David Lee estavam sufocando qualquer tentativa de ataque organizado do Warriors.

Isso tudo até Kawhi cair no chão com dores no tornozelo, que já vinha baleado desde a série contra o Houston. Primeiro, ele se enroscou com alguém do próprio banco. Depois, caiu sobre o pé de Zaza Pachulia – aqui vai um parêntesis: ao contrário de muita gente, não acho que dê para afirmar categoricamente que Zaza deixou o pé na maldade para Kawhi se machucar. O pivô, de 125 quilos, vinha correndo para contestar o chute. No movimento de defesa, é compreensível que ele tenha dado um passo a mais para tentar parar o corpo, o que fatalmente causou a lesão de Leonard. Por tudo isso, dou o benefício da dúvida ao Pachulia.

Mas intencional ou não, a jogada mudou o destino do jogo. Sem Kawhi, o Spurs desmoronou tática e psicologicamente. O Warriors emplacou 18 pontos seguidos para diminuir a diferença para menos de 10 pontos. Apesar da apatia total de Klay Thompson e de um jogo discreto de Andre Iguodala, Kevin Durant e Stephen Curry se endiabraram. Passaram a acertar tudo quanto é chute. O Golden State se recuperou na briga pelos rebotes e inverteu a lógica de até então, buscando todas as bolas erradas até que os chutes se encaixassem. O time californiano, correndo contra o relógio, também conseguiu impor seu ritmo rápido de jogo, cheio de contra-ataques. Depois da lesão, o Golden State Warriors fez 58 pontos contra apenas 33 do Spurs.

Sem Kawhi no seu encalço, por exemplo, teve 85% de true shooting. Somados, ele e Curry tiveram 74 pontos. Além da contribuição de ambos, há relatos de que Kerr fez um discurso motivacional sinistro no intervalo do jogo – o técnico acompanhou o jogo dos vestiários. Sabe-se lá o quanto isso influenciou o jogo…

Acredito que o San Antonio até tinha uma vantagem confortável para segurar o ímpeto do rival – jogou sem Kawhi contra o Houston e ganhou, por exemplo. Mas a qualidade do Golden State é surreal. Kevin Durant e Stephen Curry são simplesmente os dois pontuadores mais letais da NBA atual, ao lado de James Harden.

Apesar do enredo – talvez por causa dele -, a série começou mais competitiva do que se imaginava. No entanto, a saúde de Kawhi Leonard para os próximos jogos é preocupante. A exemplo do que aconteceu ontem, é bem provável que o San Antonio Spurs tenha chances muito reduzidas de aguentar o tranco caso ele fique de fora algum jogo. Por outro lado, se voltar, parece que o time tem bala na agulha para jogar de igual para igual contra o melhor time da NBA hoje. Tomara.

CompartilheShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone