Não é muito comum que um cara se chame Kelly. Apesar de ser um nome unissex, da origem do nome ser masculino (segundo uma pesquisa no google), a maioria esmagadora das pessoas chamadas Kelly são mulheres (5 para cada 1 homem, mais precisamente).

No basquete, então, os Kelly são uma minoria. Apenas quatro deles pisaram em uma quadra da NBA. Kelly McCarty, que jogou expressivos dois jogos e quatro minutos pelo Denver Nuggets; Kelly Tripucka, que jogou por 10 anos e mais de 700 jogos, mas que na real se chamava Peter Kelly; Kelly Oubre, ala do Washington Wizards; e Kelly Olynyk, pivô do Boston Celtics e herói da classificação do time para a final da conferência Leste.

Mas não é só o nome que faz de Olynyk uma figura absolutamente estranha para o universo da NBA. Kelly é canadense. Apesar de um conterrâneo seu ter criado o basquete, o pessoal ‘do outro lado do muro’ não tem uma tradição de muito sucesso na liga de basquete que o Canadá divide com os EUA. Em toda a história, 29 canadenses jogaram na NBA. O melhor deles, Steve Nash, nasceu na África do Sul e é um canadense ‘importado’. O segundo mais famoso foi Ricky Fox, ala do Los Angeles Lakers de Kobe Bryant e Shaquille Oneal que é a definição do jogador coadjuvante. Aliás, sua carreira fora das quadras, como ator, é quase mais notável do que a sua participação como atleta.

O visual de Kelly Olynyk também não é dos mais dominantes no universo do basquete – seja na NBA, nas ruas ou em qualquer canto do mundo. Cabelos loiros no ombro, branquelo, faixa na cabeça, cara de cavalo, olhos claros… Olynyk tem mais estilo de personagem do filme do Adam Sandler do que de atleta profissional.

Mas apesar das chances de um cara chamado Kelly, canadense, com aquela cara, aquele estilo, jogar na NBA com algum sucesso serem mínimas, ontem foi ele, com todas estas características improváveis, que definiu a partida em favor do Boston Celtics. Foram 26 pontos em 28 minutos que esteve em quadra. 10 arremessos certos de 14 tentados. Mais do que todo o banco do Wizards. Aliás, mais do que o banco do Wizards multiplicado por cinco – os reservas do Washington foram muito mal! Mais do que John Wall, mais do que Avery Bradley.

É difícil de acreditar, mas aconteceu. E Kelly Olynyk está na final da conferência Leste.