Eu não me incomodo com a discussão sobre o quão próximo – ou distante – Lebron James está de Michael Jordan na lista de melhor jogador da história da NBA. Não acho absurdo que pensem que já seja possível fazer tal comparação, bem como compreendo quem acha que ainda existe uma distância considerável entre os dois. Cada um vê o basquete com os próprios olhos e as próprias referências – é legal que pensem diferente e, principalmente, discutam.

Mas tem uma frase frequentemente repetida por algumas pessoas que faz o debate ficar pobre e burro: “nunca terá alguém melhor do que Michael Jordan”.

Parece óbvio pra mim que falar uma coisa dessas é uma barbaridade. Pelo simples fato que não temos nenhuma informação do que vai vir pela frente e porque ninguém é insuperável – e isso vale para tudo, não só para o basquete.

Se em algum momento da história do jogo um cara chegou, venceu, se destacou e sobrou perante os demais a ponto de virar um consenso, é perfeitamente possível – provável até – que isso venha a acontecer novamente.

Mas vamos ao exemplo de Jordan e o basquete. Michael é o melhor de todos por ter sido um dos mais vencedores, um dos mais revolucionários jogadores de todos os tempos. Foi, possivelmente, o melhor naquilo que fazia. Na época que fez.

É fundamental pontuar isso porque dizer ele é o grande da história é muito subjetivo. É uma avaliação intangível. Se fôssemos levar em conta os números individuais e conquistas coletivas, Bill Russell e Kareem Abdul Jabbar, por exemplo, tem um histórico mais vistoso. Mas Jordan foi a unanimidade em uma época que a NBA atingiu o seu auge de popularidade, plasticidade e qualidade.

Foi com Jordan que a NBA se consolidou como um negócio mundial e como um espetáculo de referência. Ele era o principal businessman e artista. Foi o melhor do melhor momento do basquete.

Mas isso não quer dizer que ele é insuperável. No máximo significa que será muito difícil não só que alguém seja melhor do que ele, mas que alguém consiga ser considerado melhor do que ele – são duas coisas diferentes. Para superar Jordan, o próximo melhor de todos os tempos terá que superar um mito.

Essa propaganda toda do jogo de Jordan é merecida. Foi um jogador completo, que só não bateu mais recordes individuais porque em determinados momentos da carreira se encheu o saco de ganhar – se aposentou três vezes! E quando jogou, foi insuperável. Transformou uma equipe em imbatível. E, principalmente, em comparação com seus pares, com o jogo da sua época, foi perfeito.

Mas quando alguém repete que ele ‘nunca será superado’, ‘que não tem discussão’, ‘que sempre será o maior’, a base da argumentação deixa de ser o basquete e passa a ser apenas o discurso. A retórica por ela mesma.

Lebron, por sua vez, tem o baita mérito de parecer ser o mais próximo de tudo isso: sobra no seu tempo, faz do seu time uma máquina, é o exemplo máximo da evolução física, técnica e tática do jogo. Tem a seu favor o volume de jogos, a regularidade. Ainda precisa provar que pode superar mais vezes os rivais mais fortes do seu tempo, o que naturalmente daria mais títulos a ele. É, ao meu ver, o ser humano que já chegou mais próximo da comparação com Jordan. E, quem sabe, é quem tem mais condições de superá-lo algum dia.

Jordan já foi ultrapassado por alguém? Não. Mas levando em conta a evolução do jogo, dos métodos de treinamento, da superação física e aperfeiçoamento da técnica, é muito provável que um dia alguém seja, sim, melhor, mais vitorioso e impactante do que ele foi. Da mesma forma que ele superou seu antecessores.

Porque ninguém é insuperável.

CompartilheShare on Facebook824Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone