A cabeça de Kyrie Irving

Os sinais já tinham sido dados há algum tempo. O mais claro deles quando Kyrie Irving desafiou a física, a lógica e a inteligência de todos ao dizer que acreditava que a Terra não era redonda, mas plana. Não é possível que a cabeça desse cara funcione normalmente.

Essa foi a única conclusão que eu consegui chegar depois de algum tempo tentando entender o pedido dele para ser trocado do Cleveland Cavaliers. Não torço para o time nem nada, mas fiquei anestesiado com a notícia. Não é nada comum um jogador deste quilate abrir mão de estar em uma das equipes mais fortes da liga. Justamente o contrário. Atletas abrem mão do protagonismo para que possam disputar títulos. Diante de algo tão surpreendente, da notícia mais bombástica da offseason, percebi que não podia escrever algo no calor do momento. Tinha que digerir o que estava rolando para tentar entender a fundo o que acontecia. Sai, bebi, falei com um monte de gente sobre isso e não consegui chegar a qualquer conclusão que não fosse: a cabeça de Kyrie funciona de um modo diferente das dos demais jogadores de hoje.

Segundo os reports, Irving quer sair da sombra de Lebron James. Quer ser o ponto focal de uma equipe. Quer uma franquia só para ele – uma ideia que vai na contramão do que as demais estrelas desta grandeza tem feito, já que a moda hoje é se reunir em supertimes. Vale lembrar que Kyrie já estava no Cavs quando Lebron e Love decidiram se juntar em Cleveland. Por mais que a gente não saiba os meandros da negociação, hoje é possível imaginar que tal reunião nunca estivesse nos planos do jogador. Na época, inclusive, o jogador já tinha assinado uma extensão contratual pelo período e valor máximo. Tinha definido que nos cinco anos seguintes, continuaria numa equipe que lutava pra não ficar entre as piores da NBA. E aparentemente ele estava bem com isso.

Ao pedir para ser trocado, Kyrie coloca seu destino nas mãos de executivos que não estão nem aí para o que ele pensa, mas apenas no que pode ser melhor para o Cavs – ou pelo menos causar menos estrago para o time. Por mais que ele tenha pedido para ir para Spurs, Wolves, Knicks ou Heat, Irving não controla seu futuro. O jogador não tem uma cláusula  de ‘no-trade’ como Carmelo Anthony, que só será envolvido em uma negociação com o seu aval. Se o Cavs quiser, Kyrie pode parar em equipes sem muitas pretensões como Magic, Mavericks, Bulls, por exemplo (dependendo apenas do que cada uma pode dar em troca).

Fazendo este pedido, Irving deixa claro que prefere ser feliz em um time pior, que ele não tem controle nenhum de qual possa ser, com talvez zero chances de vencer, do que ser o segundo jogador em um contender.

Aliás, sobre os possíveis destinos do jogador, não acredito que a franquia iria se desfazer do seu prodígio que ainda está a alcançar seu auge técnico (ele tem só 25 anos!) para reforçar um rival. Lembrem que o Cavs é um time forte (menos, mas forte) sem Kyrie (69% com ele e 68,5% sem nessa segunda passagem de Lebron no time), e até pode abrir mão dele, mas não gostaria de vê-lo jogar em outro postulante ao título. Portanto, vejo menos chances do time despachá-lo para alguns dos mais cotados. E ele deve saber dessa possibilidade.

Bom, há quem diga que a ideia de Kyrie não é jogar sozinho e que ele só quer preservar sua imagem em um eventual desmonte da equipe no ano que vem, quando supostamente Lebron James anunciaria a sua saída do time. Não acredito que seja isso. Ao pedir pra sair, Kyrie já despertou a fúria do torcedor do Cavs. Até aliviou a barra de James, que agora tem um argumento mais razoável para debandar de Cleveland caso a franquia não consiga se manter competitiva. Em última instância, Kyrie vai ser culpado pelos torcedores por ter enfraquecido o time e causado a saída do camisa 23.

Em todo caso, seja qual for o motivo, é diferente de tudo que vimos recentemente. É um movimento totalmente contrário do que o próprio Lebron fez duas vezes, do que Chris Paul pensou ao ir para Houston ou o que levou Kevin Durant para o Warriors. É um pensamento diferente, que talvez esteja além da nossa compreensão.

CompartilheShare on Facebook1.5kShare on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone

Previous

Lonzo Ball era o que faltava ao Lakers

Next

Os possíveis destinos de Kyrie Irving

6 Comments

  1. Magnus

    Quem ama os jogos de gerente https://mybasketteam.com/pt

  2. Eduardo

    Kyrie tem a mentalidade de um viking. Guerreiro, aguerrido, continua numa partida de um série “vencida” com o tornozelo torcido (jogo 3 ou 4 contra o Boston esse ano), e possui a habilidade de um alquimista da mesma época com a bola nas mãos. Caso vá pra uma franquia de expressão, como os Spurs, colocará um time a mais na briga pelo anel, e sem dúvida, entra na briga pelo troféu de MVP, difícil de ser alcançado como sombra do James.

  3. Loduca

    Vocês estão mandando muito bem nos textos!

  4. Sérgio Menezes

    Só acho que o kyrie demorou um pouco para dizer suas reais intenções. Seria mais interessante, para ele e para o time, que ele dissesse tudo isso no começo da off season. Daria mais oportunidade para os cavs trabalharem essa troca. Fora isso, ele acha que é capaz de ser a estrela de uma franquia. Talento ele tem de sobra. E eu não havia percebido, mas esse é o caminho contrário daquele escolhido pelas demais estrelas da nba. Sorte ao kyrie.

Leave a Reply

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén