O quanto Derrick Rose pode ajudar o Cleveland Cavaliers?

Como se o pedido de Kyrie Irving para ser trocado não fosse o bastante para animar o período mais morno da offseason, ontem foi anunciado que Derrick Rose se juntará ao Cleveland Cavaliers para a próxima temporada.

Sinceramente, acho que a animação com a contratação está um pouco exagerada – há muita gente comemorando bastante a assinatura do contrato. Eu entendo que a torcida do Cleveland esteja machucada com a situação de Kyrie e o histórico de Derrick Rose, um dia MVP da liga, desperte alguma esperança, mas não acho prudente imaginar que a contratação vai, de fato, mudar a franquia de patamar (leia-se aqui: chegar ao mesmo nível do Golden State Warriors). Para mim, esta é uma adição que serve muito mais para os objetivos de Rose – de se reabilitar como jogador, de se mostrar útil e, eventualmente, disputar alguma coisa importante – do que para o Cavs – que quer ser campeão e, agora, buscar uma reposição para Kyrie.

O fato do jogador ter assinado pelo mínimo de veterano dá uma boa dica sobre sua condição atual na liga. Geralmente, este tipo de contrato é oferecido a jogadores que já estão nos últimos anos das suas carreiras ou a atletas absolutamente desacreditados. Rose, aos 28 anos firmando este tipo de vínculo, deixa claro em qual dos grupos ele se encaixa.

Aqueles que se animam com a chegada de Derrick após sua melhor temporada dos últimos anos, com 18 pontos de média, devem ter se concentrado muito olhando as estatísticas do jogador e esqueceram de assistir suas partidas – na quadra, Rose tem se mostrado um jogador apático, completamente sem tesão de jogar basquete.

É preciso lembrar que em determinado momento da temporada passada, Rose abandonou o time em dia de jogo sem dar satisfações para ninguém e reapareceu sem dar grandes explicações, em um gesto absoluto de falta de comprometimento.

Por mais que pareça, esta não é uma crítica a ele necessariamente. Eu entendo sua condição depois de inúmeras lesões logo no início da carreira. Se machucar no auge é a pior maldição que qualquer atleta pode sofrer. A culpa dele nisso é nenhuma. A frustração é total. Fosse eu, já teria abandonado o barco há muito tempo. Mas para mim é nítido que, por algum motivo – insegurança, medo de se lesionar, falta de vontade -, Rose hoje é quase que um zumbi em quadra, jogando no piloto automático.

Acho que um cara nestas condições e neste preço é uma boa aposta para ser backup na armação de um time bom. Quando está em um bom dia, pode ganhar um jogo para o time. Quando não está bem, usa-se outras opções. Derrick chegando em um time bom, que não dependa da sua atuação, pode renovar suas ambições e até tirar o que tem de melhor em um cara tão calejado. Chegar a um time como este depois de passar tanta coisa pode ser oxigênio novo para Rose.

O que acho que não tem qualquer chance de dar certo é imaginar que Rose voltará a ser um cara seguro e que pode ocupar o lugar de Kyrie no time. Claramente não deu certo tentar reabilitá-lo como franchise player em Chicago ou em uma franquia em que tudo é amplificado para pior como o Knicks. Imagino que daria igualmente errado esperar protagonismo dele em Cleveland.

No começo da década, a discussão sobre quem era o melhor armador da NBA passava pelos nomes de Chris Paul, Rajon Rondo, Derrick Rose e Deron Williams. Na temporada passada, o Cavs apostou no último para ser uma mera opção no banco de reservas – e mesmo assim não deu certo. Não vejo motivos para Rose ocupar um espaço muito maior no elenco do que Deron ocupava.

É importante lembrar também que as características do jogo de Rose são bem peculiares. O jogador não é um distribuidor de bolas, não defende bem e não tem arremesso de três pontos – um fundamento muito explorado em Cleveland. Seu jogo depende muito da explosão física e do ataque à cesta – o que justifica em boa parte a sua queda de rendimento após as lesões.

Se o Cleveland Cavaliers e sua torcida tiverem consciência de que o papel a ser desempenhado por ele será limitado, o casamento pode dar certo. Se a expectativa for de algo a mais, a chance de decepção é consideravelmente grande.

Previous

Os possíveis destinos de Kyrie Irving

Next

Muitos egos para um só time

1 Comment

  1. Magnus

    Torne-se um diretor de basquete https://mybasketteam.com/pt

Leave a Reply

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén