Então tricampeão, cestinha das últimas sete temporadas, finalmente incontestável melhor jogador de basquete de todos os tempos, Michael Jordan anunciava sua aposentadoria do jogo aos 30 anos de idade. A notícia era absurda. Os motivos, praticamente incompreensíveis: a falta de desafios no basquete e o desejo de jogar baseball eram suficientes para que o jogador mais competitivo que já existiu largar mão de tudo?

Então, na coletiva de imprensa em que anunciava oficialmente sua saída de cena, Jordan é questionado se voltaria um dia a jogar basquete profissionalmente e ele responde: “se minha vontade voltar, se o Bulls precisar, se David Stern deixar, eu posso voltar, sim”. Pronto, já estava claro para alguns: Michael Jordan não estava de fato se aposentando, mas na verdade iria cumprir uma suspensão secreta por abusar das apostas e, assim que o manda-chuva da NBA permitisse, voltaria a vestir a regata do Chicago.

A teoria conspiratória tem sustentação na realidade, de fato. Michael Jordan vinha acumulando problemas associados ao seu vício em apostar grana em jogos de golfe e cartas e a pressão da imprensa por atitudes por parte da liga vinham crescendo substancialmente.

Nos meses anteriores alguns casos específicos confirmariam as suspeitas. Em 1992, a polícia prendeu um traficante chamado James “Slim” Bouler com um cheque no valor de 57 mil dólares assinado por Jordan. Meses depois, encontrou outro cheque de MJ, no valor de 108 mil dólares, na casa de Eddie Dow, um agiota assassinado – a biografia de Michael escrita por David Halberstam conta que o jogador contraiu as dívidas em uma temporada de jogatinas com os dois depois do título de 1991.

Aproveitando toda a confusão, um cara chamado Richard Esquinas escreveu um livro sobre seu vício em jogo e disse que já tinha tirado mais de 1 milhão de Jordan e que ele ainda o devia 300 mil – confirmados pelo atleta depois. A NBA, naturalmente, ficou bastante incomodada com tudo isso. Jordan era o melhor jogador da melhor época da liga. A ida do Dream Team para Barcelona, a renovação dos contratos de TV e a popularização do esporte pelo globo multiplicavam as cifras e Michael Jordan era seu garoto-propaganda absoluto.

A relação de apostas e esporte notoriamente polêmica e muitos jornalistas cobravam uma atitude da liga, que nada fazia se apoiando no fato de que Jordan nunca tinha sido pego apostando em basquete, apenas em golfe e jogos de cartas.

O estopim foi Michael ter sido visto em um cassino de Atlantic City entre um jogo e outro das finais da conferência Leste dos playoffs de 1993. A imprensa dizia que Jordan estava descontrolado. O jogador se irritava com isso e ficava ainda mais arredio. Bob Costas, comentarista da NBC, chegou a confrontar David Stern no ar, perguntando se a NBA não faria nada para frear as jogatinas de Jordan.

Stern não manifestava publicamente preocupação. Era de se entender, já que desvalorizar Jordan era fazer a NBA perder muito dinheiro. A solução seria, então, uma punição por debaixo dos panos. MJ ficaria um tempo sem jogar, a poeira iria baixar e o foco seria desviado. A ausência dele também ajudaria a liga a formar novos ídolos, já que estava carente de Larry Bird e Magic Johnson e todos os holofotes se concentravam em Michael. Passada a tempestade, Jordan poderia voltar – como voltou, de fato, um ano e meio depois.

O péssimo rendimento de Jordan no baseball é outra fonte de desconfiança da turma mais paranoica. Já que a falta de competitividade era um argumento para não jogar mais basquete, seria também para não jogar baseball – era muito bom em um e muito ruim em outro, sem competitividade em ambos.

Oficialmente – e de acordo com os relatos mais confiáveis da sua biografia e do livro de Phil Jackson, “Onze Anéis” – Jordan estava de saco cheio da imprensa e de ter sua vida importunada por tanta gente. Esta prestes a enlouquecer. Queria dar um tempo urgentemente. Perdeu a cabeça quando seu pai morreu assassinado em agosto de 1993 e repórteres transformaram o velório em um evento público – a morte do pai, aliás, segundo outras teorias malucas, teria sido um acerto de contas por causa de… apostas.

Phil Jackson, técnico do Bulls, sugeriu que o jogador ficasse uma temporada fora de cena e voltasse apenas para jogar os playoffs. Jordan, segundo Phil, disse que pensou nisso, mas que achava que não seria o suficiente. Queria descansar de vez. Não queria colocar uma data de retorno certa. Queria se aposentar mesmo.

Pelo visto, as apostas eram um problema real de Michael Jordan. O assédio da imprensa e a cobrança dela por conta deste vício, também. Mas é difícil de engolir que tudo tenha sido um mero jogo de cena.

CompartilheShare on Facebook543Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone