Assim como no ano passado, vou fazer uma série de previsões, time por time, para a temporada que começará daqui algumas semanas (um mês e pouquinho). A ideia aqui é a mesma da vez passada. Não pretendo cravar nenhuma campanha (seria um chute completo), mas passar, de forma sucinta, pelas principais negociações da offseason de cada time, avaliar a formação provável para a temporada, ponderar as maiores dificuldades e desafios e, enfim, palpitar sobre qual deve ser o papel daquele time ao longo do ano.

O rito será o mesmo também: do pior time da temporada passada para o melhor. Por isso, a primeira previsão é do Brooklyn Nets. A franquia chega para a disputa em uma situação intrigante. Continua sendo uma das piores equipes da NBA e deve fechar a temporada com, sei lá, uma das quatro piores campanhas do Leste na temporada, mas contra todos os prognósticos possíveis tem conseguido se livrar da maldição que foi aquela troca comprometedora com o Boston Celtics de alguns anos atrás, quando pegou Kevin Garnett e Paul Pierce e alienou todas suas escolhas de primeiro round de draft pelos próximos quinhentos anos (quatro, na verdade).

Nas últimas duas offseasons, a impressão que dava era que o Nets teve seu futuro desperdiçado e que só conseguiria alguma coisa minimamente decente passados todos os anos de martírio sem suas escolhas de draft mais os anos em que continuaria ruim, mas, daí sim, com calouros. Em um cálculo realista, teria uma década inteira perdida até começar a atrair free agents e ter jogadores talentosos no elenco.

O time, no entanto, trabalhou surpreendentemente bem. Fez trocas cirúrgicas nas últimas temporadas para conseguir jogadores úteis e garimpou calouros interessantes com o pouco que tinha à disposição. Negociou contratos ruins, aceitou pegar outros piores ainda e, por isso, foi recompensado pelas outras equipes com atletas bons, mas em baixa – o que é altamente recomendável se fazer segundo qualquer cartilha de mercado, mesmo que seja da NBA – ou com escolhas de draft, algo que faltava ao time.

Dos últimos dois anos, só Rondae Hollis-Jefferson se mantém nos planos da equipe. Todos os outros jogadores foram negociados. Para um time que não tinha qualquer perspectiva de futuro, não é nada mal sair com D’Angelo Russell (segunda escolha do draft de três anos atrás), Caris LeVert, Jarrett Allen e o próprio Rondae Hollis-Jefferson.

Se o time ainda não tem chances de ir aos playoffs, pelo menos já adiantou a curva de recuperação em alguns anos. Uma boa perspectiva para um time que tinha o futuro condenado.

Nets se mexeu tanto, que só Hollis-Jefferson sobrou do time de dois anos atrás

Offseason
A intertemporada em Brooklyn foi mais um capítulo no processo de retomada do time. A principal negociação foi pegar Russell do Lakers (junto com Timofey Mozgov) e mandar Brook Lopez para Los Angeles. Lopez é um excelente jogador, um pontuador letal, mas não fazia sentido no Nets. D’Angelo, com todas as dúvidas que pairam sobre seu jogo, ainda é um jogador que tem uma carreira inteira pela frente, inclusive com a possibilidade de virar, em uma hipótese otimista, um legítimo franchise player.

Fora isso, o time ainda aceitou ficar com Demarre Carroll e seu contrato horroroso. Com isso, ganhou um ala útil e uma escolha de segundo round – um presente oferecido pelo Toronto para quem topasse ficar com a bigorna. Por fim, negociou com o Portland para pegar Allan Crabbe, jogador que saiu com um salário completamente inflado da offseason passada justamente porque o Nets ofereceu um contrato imenso para ele, que foi coberto pelo Blazers. Agora que o time do Oregon viu a besteira que foi dar tanto dinheiro para Crabbe, decidiu shoppar o jogador. O Nets topou – com a vantagem de ter um ano a menos para pagar o ala-armador.

Time Provável
PG – D’Angelo Russell / Jeremy Lin / Spencer Dinwiddie / Isaiah Whitehead
SG – Allan Crabbe / Caris LeVert / Sean Kilpatrick
SF – Rondae Hollis-Jefferson / Demarre Carroll
PF –  Trevor Booker / Quincy Acy
C – Timofey Mozgov / Jarrett Allen

O time está muito mais carregado na armação do que no front court. Por mais que a princípio Russell e Crabbe sejam as opções mais indicadas para começar nas posições 1 e 2 do time, Jeremy Lin pode pintar no time titular ou, na pior das hipóteses, ser daqueles reservas que jogam quase 30 minutos por jogo. RHJ, Carroll e Booker são versáteis o suficiente para que a formação do time seja bem variada ao longo dos jogos.

Expectativa
O time vai continuar sendo um dos piores da NBA e isso vai continuar não servindo em nada para eles – a escolha agora é do Cleveland Cavaliers. Mesmo que não seja o melhor cenário do mundo, pelo menos a equipe tem mais incentivos para tentar ser um time melhor ao invés de entregar o ouro esperando um bom calouro no ano seguinte. Com a recente evolução, pelo menos não deve mais ser o último colocado.

CompartilheShare on Facebook274Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone