O Chicago Bulls escancarou seu planejamento para este ano quando trocou Jimmy Butler, seu melhor jogador, por um pacote do Minnesota Timberwolves que muito dificilmente vai dar algum resultado prático já para esta temporada. Veio um calouro, um jogador no seu segundo ano que não vingou como calouro e outro cara que está machucado e fica de fora pelo menos 30 jogos desta temporada.

Neste cenário, o melhor que pode acontecer para o Chicago é perder o máximo possível, dar tempo de jogos para seus calouros e pós-calouros, azeitar a química dessa turma e tentar arregimentar o maior talento disponível no próximo draft.

Por mais que seja duro para a torcida ver um time abrir mão de um campeonato, acho que o Bulls não está no pior cenário possível.

Eu entendo que a torcida tenha ficado chateada com o desfecho da troca, que o front office não passe segurança e que seja um saco tankar, mas com a eminente saída de Jimmy Butler, Rajon Rondo e Dwyane Wade, a reconstrução era a opção mais viável – especialmente quando os melhores times da competição se fortaleceram ainda mais.

No fundo, o Bulls parte para um rebuild com algum valor em seu elenco, com peças que podem ser aproveitadas no processo que está para começar. Por mais que a sensação seja de que era possível conseguir um troco melhor, eu ainda acho que o pacote recebido em Chicago não é de todo descartável.

Vamos um a um: eu aprendi a gostar de Zach Lavine. O jogador deixou de ser um combo guard que não fazia nada muito bem para se transformar em um legítimo shooting guard que faz juz ao nome da posição – chuta bem de fora, tem recurso a meia distância e ataca o garrafão como poucos. É muito jovem (22 anos), atlético e só precisa aprender a defender melhor, algo ainda corrigível.

Kris Dunn é um armador que entrou muito badalado no draft passado e teve sua moral estraçalhada por não ter se mostrado útil nos poucos minutos que jogou pela equipe. Ao meu ver, as condições também não ajudaram em nada o jogador: era reserva declarado e tinha um técnico que assumidamente não tem a menor paciência com calouros. Não acho que, neste cenário, seja justo decretar Dunn como um sem-futuro na liga, especialmente por ele ser um excelente defensor e ter um biotipo perfeito para a posição (alto, envergadura enorme e ágil).

O calouro escolhido é uma incógnita para mim. O Bulls quer em Markkinen uma reprodução de Kristaps Porzingis. O último time que fez isso, o Phoenix Suns, por enquanto não teve muito sucesso ao draftar Dragan Bender. Os scouts alertam ainda que a defesa do jogador é bem deficiente. Por outro lado, o garoto jogou muito bem pela Filândia no EuroBasket do mês passado. Seu potencial é tão grande quanto cinzento.

Paul Zipser, Nikola Mirotic e Denzel Valentine, que já estavam no time, têm uma margem para evolução interessante. Um ano sem grandes pretensões por resultados, focado exclusivamente no desenvolvimento destes caras, deve servir, pelo menos, para definir quem tem qualidade para continuar no elenco pelos próximos anos e quem pode ser descartado.

Já é um ponto de partida razoavelmente melhor do que muitos times que recentemente partiram para o rebuild do zero – e até que estão conseguindo um relativo sucesso neste processo.

Claro que nada disso vai adiantar se o time continuar apostando em caras tipo Cameron Payne – aparentemente a comissão técnica já viu que ele não tem utilidade alguma nos primeiros treinos da equipe -, mas, na média, as peças do time são mais animadoras do que isso.

O maior erro que este time pode cometer, no entanto, é se seduzir por uma boa fase e achar que pode brigar por algo além da loteria do draft. Com tanto time ruim no Leste, não é impossível que um time cru como este Bulls tenha uma semana vitoriosa aqui e outra lá. É horrível admitir isso, mas uma vitória fora de hora pode ser suficiente para jogar o time uma posição abaixo dos seus principais concorrentes pela última colocação – e a briga por isso vai ser pesada.

Offseason
É de se questionar se não dava para conseguir algo melhor do que Zach Lavine, Kriss Dunn e Lauri Markkanen por Jimmy Butler. É bem difícil entrar nesta discussão, já que muito dificilmente um time vá conseguir um troco que valha a pena quando for abrir mão de uma estrela.

Time Provável
PG – Kris Dunn / Jerian Grant / Cameron Payne
SG – Zach Lavine / Denzel Valentine / Justin Holiday
SF – Paul Zipser / Quincy Pondexter
PF – Nikola Mirotic / Lauri Markkanen / Bobby Portis
C – Robin Lopez / Cristiano Felicio

Expectativa
Ser um dos piores times da temporada. Se tudo der certo para o Bulls, ele será o time de pior campanha de toda a NBA – mas a concorrência será grande.

Quer saber mais sobre as últimas da NBA? Segue o Dois Dribles no Twitter:

CompartilheShare on Facebook331Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone