Até 2011, não tinha discussão: o Los Angeles Clippers era o time com o histórico mais fracassado de toda a NBA. Em 40 anos de vida, contando desde a época que a franquia se chamava Buffalo Braves, passando por San Diego Clippers e, por fim, o período já em Los Angeles, não existia qualquer outro time na história da liga com um aproveitamento de vitórias tão baixo e tão poucas aparições nos playoffs. A diferença no retrospecto para o segundo pior, o Minnesota Timberwolves (time bem mais novo) era abissal e nem tinha como contestar.

Mas uma troca indiscutivelmente mudou o rumo da franquia e a colocou em uma posição estranha até aquele momento. Com a chegada de Chris Paul para tutelar, comandar e servir Blake Griffin, o Los Angeles Clippers experimentou pela primeira vez o que era ter um time que consegue ir seguidas vezes aos playoffs e se mantém como um dos favoritos por alguns anos.

A franquia, que até o momento, em quatro décadas, tinha conseguido ir a um total de sete playoffs (mesmo quando 2/3 dos times se classificavam para a pós-temporada), conseguiu emplacar seis anos consecutivos de mata-mata. Exceto pelo ano em que a NBA teve uma temporada mais curta pelo lockout, em todos os anos registrou mais 50 vitórias – algo que nunca tinha acontecido por lá.

Claro que o desenvolvimento de Blake Griffin e Deandre Jordan e a atração de free agents, algo raro para a história do Clippers, teve um impacto bastante significativo, mas é inegável que a chegada de Paul, maior armador dessa geração de jogadores, foi um marco para o segundo time de Los Angeles (a ponto de, em boa parte destes anos, se tornar o melhor time disparado da cidade).

Antes dele, mesmo os times bons que a franquia formou esbarravam em fatores intangíveis que sempre acabaram por prejudicar o time de alguma forma. Lesões, inexperiência, indisciplina… Parecia uma sina maldita que puxava o Clippers para o fundo da tabela da NBA.

Sina esta que, apesar das várias lesões, das derrotas precoces nos playoffs e do potencial que nunca foi completamente alcançado, foi abandonada ao longo da última década. Inegavelmente, o Clippers entrava todos os anos na competição como um dos melhores times da conferência, algo inimaginável antigamente.

Mas o contrato de Chris Paul acabou e, para tentar não encerrar a carreira com o asterisco de nunca ter chego a uma final de conferência, nunca ter vencido um prêmio de MVP e tudo mais, o jogador decidiu buscar um time mais forte. Para não deixar a franquia totalmente desguarnecida, ele topou um sign and trade de cavalheiros: Paul decidiu para onde iria e forçou que os dois times chegassem a um denominador comum. Foi assim que o Houston Rockets mandou meio time para Los Angeles em troca do jogador.

Com a saída de Chris Paul, o Clippers passará por um teste de fogo. Terá que mostrar que é possível sobreviver sem depender do camisa 3.

Por mais que Paul seja um atleta que muda o status de qualquer equipe, acho que o LAC tem condições de comprovar isso. O troco por Paul não foi ruim – aliás, se comparado ao que os outros times receberam ao dispensarem suas estrelas nesta offseason a contrapartida foi ótima. Lou Williams, Sam Dekker, Patrick Beverley, Montrezl Harrell e companhia, todos egressos do Rockets, engordam a rotação do time do início ao fim.

O time ainda terá uma dupla de garrafão em seu auge técnico – apesar da eventual suspeita de decadência física de Griffin. Conta, por fim, com a chegada de um ala chutador que eu não confio, mas que tem alguma moral na NBA (Danilo Gallinari) e um armador brilhante de qualidade comprovadíssima no basquete europeu (Milos Teodosic). É um grupo para se manter por cima, com certeza – especialmente se Doc Rivers não exagerar da corujice e dosar bem o quanto usa Austin Rivers em quadra.

Aliás, se as lesões – e a falta de reposição – sempre foram problema para o Clippers, a profundidade do elenco nesta temporada deve amenizar esta situação.

(Andrew Lee/Getty Images)

No entanto, é um time inteiro praticamente novo que terá que encontrar química entre 10 caras que nunca dividiram uma quadra de basquete enquanto os demais concorrentes do Oeste voam. Rivers, que deixou o cargo de executivo do time, terá que realmente se concentrar nas suas atribuições como técnico para azeitar essa turma toda.

Prevejo, por exemplo, muito trabalho para delimitar bem o quanto cada jogador terá liberdade de criação, armação e tempo carregando bola, por exemplo. O time tem dois point guards que podem ser titulares em Teodosic e Beverley, um shooting guard que gosta de armar em Rivers e mais dois alas que carregam a bola excessivamente, em Blake e Danilo. Ou se cria um sistema em que todos possam criar – e que todos entendam que nem sempre terão a bola na mão, já que ela estará com o companheiro – ou terá que segurar o ímpeto de toda essa turma elegendo um ou dois armadores de ofício.

Por enquanto, acho que o time consegue se manter no mesmo patamar, mesmo sem Chris Paul. Não acho, no entanto, que tenha bala na agulha para conseguir algo que o armador nunca conseguiu dar à franquia (uma final de conferência, por exemplo). Mais pela qualidade dos concorrentes do que pelo potencial do próprio time.

Mas se conseguir provar que é possível viver sem sofrer com a abstinência de Paul, já será meio caminho andado.

Offseason
Foram muitas mudanças. Chris Paul e Luc Mbah Moute saíram em troca de um pacotão do Houston, que além de envolver sete jogadores, ainda rendeu uma escolha de primeiro round no próximo draft. Assinou com Gallinari, que estava no Denver Nuggets, e Willie Reed, que apareceu bem no Miami Heat do ano passado. Ainda pescou Milos Teodosic, cuja alcunha era de ‘melhor jogador de basquete do mundo fora da NBA’.

Time Provável
PG – Patrick Beverley / Milos Teodosic / Jawun Evans
SG – Austin Rivers / Lou Williams / Sindarius Thornwell
SF – Danilo Gallinari / Sam Dekker / Wesley Johnson
PF – Blake Griffin / Montrezl Harrell / Brice Johnson
C – DeAndre Jordan / Willie Reed / Marshall Plumlee

Expectativa
Não imagino o Clippers com uma campanha melhor do que Warriors, Spurs, Rockets e Thunder. Deve brigar pela quinta posição com Timberwolves, Jazz e Nuggets – tem um time mais experiente e profundo que os demais, mas tem que fazer muito mais ajustes. O quarteto Teodosic-Beverley-Griffin-Jordan, se não render bons resultados, pelo menos vai gerar excelentes highlights.

Siga o Dois Dribles no Twitter para acompanhar o blog e ler informações em primeira mão:

CompartilheShare on Facebook227Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone