As altas expectativas para o começo da temporada não tinham como ser frustradas de maneira mais acachapante. Por mais que os dois jogos tenham sido disputados até a última posse de bola, com um equilíbrio surpreendentemente positivo – especialmente no caso de Golden State Warriors e Houston Rockets – a imagem da lesão de Gordon Hayward foi o que marcou a noite de abertura da temporada.

Se você ainda não viu o que aconteceu, recomendo que nem veja o lance, mas saiba que o ala do Boston Celtics, maior contratação via free agency da temporada, se lesionou feio ainda no primeiro quarto de partida, quando tentava pegar a bola em uma ponte aérea lançada por Kyrie Irving. A imagem foi chocante. O jogador caiu de um jeito estranho e, ao tentar se levantar, viu seu pé virado para o sentido contrário do que deveria. Horrível!

Foi tão pesado que a transmissão oficial nem mostrou direito Hayward sendo atendido e retirado de quadra – ao contrário do Sportv, que repetiu algumas vezes o lance, reexibiu várias vezes a lesão de Paul George de três anos atrás, até que todos os telespectadores ficassem de estômago embrulhado.

Toda a animação pela partida de estreia, pela formação de uma nova rivalidade, pelo campeonato que se iniciava se derreteu com a lesão. O clima de aflição e preocupação que tomou a quadra, as arquibancadas e depois reverberou por todo o universo da NBA foi dominante.

(divulgação/Boston Celtics)

Por alguns segundos, jogadores do Boston Celtics se abraçaram, como quem tentava recuperar forças para voltar à quadra e continuar jogando com a mesma intensidade – o que só conseguiram fazer a partir do terceiro quarto, quase meia hora depois, mas com garra suficiente para tirar uma vantagem de 18 pontos, virar a partida e levar o jogo ponto a ponto até o minuto final, quando Lebron James decidiu a parada.

O foda da situação não é só a lesão em si, terrível, mas todo o contexto. O Boston se reformulou por completo para tentar se transformar na próxima potência da NBA e Gordon foi a grande aposta do time para este projeto – Kyrie, a grande estrela, chegou por um acaso do destino.

O casamento entre Celtics e Hayward também foi uma aposta para as duas partes. Uma aposta com concessões de ambos. O ala abriu mão de ser a estrela do Utah Jazz, time onde jogou sua carreira inteira, para ser parte da engrenagem do novo time. O Boston se desfez de Avery Bradley, condenou sua folha salarial, trocou o elenco inteiro também para acomodar Gordon. O jogo de ontem era o primeiro passo de tudo isso que estava planejado.

Não sei o quanto isso pode ser adiado. A equipe se mostrou muito aguerrida e as principais apostas de Danny Ainge (Jaylen Brown, Jayson Tatum e Terry Rozier) se saíram muito bem. O time pareceu muito encaixado, apesar de estar jogando uma partida de verdade pela primeira vez juntos.

A preocupação maior fica em relação à saúde de Hayward. O primeiro report é de que ele quebrou o tornozelo, mas a imagem dá a entender que ele teve lesões nos ligamentos (atualização: não teve). É possível que não volte a jogar nesta temporada. Espero que, quando voltar, seja lá quando for, esteja bem e renovado.

Espero, também, que a segunda noite de basquete seja mais tranquila.

Siga o Dois Dribles no Twitter para receber as atualizações do blog em primeira mão:

CompartilheShare on Facebook372Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Reddit0Share on LinkedIn0Email this to someone